terça-feira, 9 de outubro de 2018

Analista diz que Guiné-Bissau não tem condições para legislativas a 18 de novembro

O analista político guineense Rui Jorge Semedo disse que não há ninguém que possa afirmar que existem condições para fazer legislativas a 18 de novembro e, a insistir-se, criam-se “condições para a negação dos resultados eleitorais”.

“Não há ninguém que possa neste momento afirmar que existem condições técnicas e administrativas para poder fazer eleições na data prevista, que é 18 de novembro”, afirmou em entrevista à agência Lusa o politólogo guineense.

Segundo Rui Jorge Semedo, as previsões apontam para o recenseamento de 300.000 pessoas num espaço de um mês e isso “cria uma condição favorável para a reabertura de conflito e crise na Guiné-Bissau”.
“Há que existir uma certa racionalidade, porque o Governo não deve ser levado pelo coração, o Governo tem de ser levado pela razão, usar a cabeça. O Governo tem todos os instrumentos, tem uma equipa técnica, tem ao seu dispor pessoas com competência para poder avaliar se realmente existem ou não existem condições”, afirmou.

Para o analista, o Governo tem de “ter coragem” para dizer que não conseguiu, porque é essa a sua responsabilidade.

Rui Jorge Semedo salientou também que esta é a primeira vez que a Guiné-Bissau está a realizar uma eleição “totalmente diferente daquilo que tem sido habitual no processo eleitoral” do país.
“Primeiro foi marcada uma data sem, no entanto, serem observadas as condições reais, técnicas e financeiras do país para fazer as eleições na data indicada, ou seja, 18 de novembro”, afirmou.

Segundo o analista, o Governo tomou posse em abril “perante uma situação de dificuldade, porque dependia de recursos externos para efetivar o processo eleitoral”.
“Essa demora foi colmatada em setembro passado, momento em que o país começou a captar alguns recursos financeiros e também com o apoio que a Nigéria concedeu ao país com 150 ‘kits’, que não conseguem fazer a cobertura total dos 1.022 distritos apresentados para o processo”, explicou.

Para o analista, o terceiro ponto está relacionado com a falta de consenso entre os órgãos gestores do processo e com a própria Comissão Nacional de Eleições, que “não trabalha com autonomia suficiente”.
“Esta situação criou desconfiança, não só a nível dos partidos, mas preocupa também a própria sociedade civil. Todos sabemos que as eleições são um conjunto de processos técnico-administrativos, jurídicos, mas também políticos e portanto quando não se consegue conduzir o processo de uma forma mais transparente, mais profissional, cria-se num país instável, como a Guiné-Bissau, com as suas deficiências, condições propícias para a negação dos resultados eleitorais”, afirmou.

Para Rui Jorge Semedo, é “isso que as pessoas temem, sobretudo a sociedade civil, que tem pressionado através da sua estrutura, chamando a atenção para se fazerem correções, mas também um novo cronograma eleitoral que se adeque à própria exigência do processo”.

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, marcou as eleições legislativas para 18 de novembro em abril, na sequência de uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para ultrapassar o impasse político que se vivia no país desde 2015 e que incluiu também a nomeação de Aristides Gomes primeiro-ministro, bem como a reabertura do parlamento.

O processo eleitoral em curso na Guiné-Bissau tem provocado fortes críticas dos partidos sem assento parlamentar e da sociedade civil, nomeadamente devido ao recenseamento, e que têm pedido que as legislativas sejam adiadas.
Rispito.com/África, 09-10-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público