quinta-feira, 1 de novembro de 2018

GUINEENSES EM PÂNICO NA ANGOLA

Guineenses em Angola temem pela sua segurança
Nos ultimos dias ou semanas, o mundo tem acompanhado imagens tristes partilhadas em noticias e nas redes sociais do pânico que se vive em Angola.

O país tem mantido em curso a execução da chamada Operação Transparência que desde 25 de Setembro resultou na expulsão de 380 mil estrangeiros ilegais, na sua maioria congoleses, havendo relatos de actos de violência, o que as autoridades negam.

Certo é que  desde terça-feira (30/10) a Operação Resgate, tem sido implacavel no esforço que  visa também o combate à imigração ilegal, assim como disciplinar o comércio informal.

Na redes sociais tem passado muitas imagens chocantes, vedeos e varias mensagens em denúncias de maus tratos, perseguições, detenções arbitrárias e espancamentos de cidadãos guineenses em Angola, e mesmo da morte em Luanda de um guineense. 

A situação tem sido marcado pela revolta, o que está a provocar pânico junto dos familiares dos guineenses emigrantes em Angola, sendo uma das grandes preocupações o facto de não haver representação oficial da Guiné-Bissau em Luanda.

Os cidadãos em causa não têm poupado esforços em padir socorro aos governantes e particularmente ao Presidente da Republica, José Mário Vaz, de intercetar por via Diplomática ou diretamente junto ao seu homólogo angolano, João Lourenço,  no sentido de poder salva-los dessa tremenda crueldade em curso.

De facto, a situação é bastante preocupante, pelo que requer uma intervenção urgente de quem de direito, pois está em causa uma  violação grave e flagrante de direitos humanos.
Rispito.com, 01-11-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público