segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Guiné-Bissau perto de repetir "milagre" pelas mãos de Candé

Guinea-Bissau Fußball Nationalmannschaft & Trainer Baciro CandéA seleção guineense de futebol está cada vez mais perto da CAN 2019. A equipa, que não dispõe de recursos, faz "milagres" pelas mãos do selecionador Baciro Candé – figura aclamada por uns e contestada por outros.
Baciro Candé, de 51 anos de idade,  é um dos poucos treinadores guineenses com o quarto nível académico de treinador e uma carreira profissional de sucesso, cheia de grandes conquistas. Candé entrou para a história do futebol guineense como primeiro selecionador a apurar o país para a presença inédita no Campeonato Africano das Nações de Futebol (CAN) de 2017, disputado no Gabão, e está a quatro pontos de repetir a segunda qualificação consecutiva dos Djurtus para a fase final do CAN 2019.


Natural de Farim, norte da Guiné-Bissau, ainda jovem tentou a sorte dentro das quatro linhas como jogador de futebol no país, tendo passado também por Cabo Verde. Em busca de realizar o seu maior sonho, decidiu partir para Portugal e caiu nas mãos do antigo treinador inglês, o célebre Jimmy Hagan, que na altura orientava o Estoril de Praia. Candé sempre foi um modesto jogador em campo, apesar de ainda ter passado pelo Estrela de Amadora, Portimonense e outros clubes portugueses. 

Guinea-Bissau Fußball Nationalmannschaft & Trainer Baciro Candé (DW/B. Darame)Mas foi fora do retângulo de jogo, no banco de treinador, que Candé se deu melhor. Em 1988, decidiu regressar à terra natal para comandar a equipa nortenha da Guiné-Bissau, o Desportivo de Farim. No ano da estreia, conquistou a Taça da Guiné e garantiu o segundo lugar do campeonato nacional de futebol. 

No início da década de 90, Baciro Candé iniciou uma nova experiência nas equipas da capital do país, tendo treinado a União Desportiva Internacional de Bissau (UDIB), a Estrela Negra, que é o clube das Forças Armadas Repúblicas do Povo (FARP) e a equipa do Bairro de Ajuda. Ainda orientou o Bula FC. Mas foi no Sporting de Bissau que Candé começou a fazer história no mundo do futebol guineense.
"Foi no Sporting que fui mais feliz. Assumi o comando do Sporting quando o Benfica tinha mais cinco títulos do que o Sporting. Conquistei 10 títulos, cinco consecutivos e cinco alternados. Ganhei sete taças e super taças da Guiné-Bissau", relata. 

O número de títulos projetou Candé diretamente para o banco da seleção nacional de futebol da Guiné-Bissau, em 2002, pela primeira vez. Na altura, o país competia mais para a então Taça Amílcar, uma competição da sub-região oeste africana que, entretanto, já não existe. Os seus sete anos à frente dos Djurtus terminariam com a traumática eliminatória da Guiné-Bissau diante de Cabo Verde, em Bissau, nas meias-finais da Taça. Candé foi obrigado a abandonar a seleção nacional de futebol e fazer as malas para Portugal para prosseguir com os estudos e aperfeiçoar a carreira na Associação Desportiva de Oeiras, revela o próprio em entrevista à DW África.

"Quando cheguei a Portugal decidi começar do nada, na base. Na Associação Desportiva de Oeiras passei pelos Infantis, Juvenis, Juniores e Séniores.  Nos Juniores, fiz um recorde de 23 jogos e 23 vitórias. Acabei o campeonato sem nenhuma derrota ou empate. Ganhei todos os jogos".

O eco do sucesso fez-se sentir em Bissau. Em 2014, assinou um contrato com o Sporting Clube da Guiné-Bissau, uma das maiores equipas de futebol do país. No mesmo ano ficou em segundo lugar do campeonato e na época desportiva 2015/2016, quando o campeonato nacional de futebol foi interrompido por falta de verbas financeiras, Candé foi convidado, em fevereiro de 2016, pela Federação de Futebol guineense para salvar a equipa nacional da crise de resultados na fase de qualificação para o Campeonato Africano das Nações de 2017.
Guinea-Bissau Fußball Nationalmannschaft & Trainer Baciro Candé
Candé, coadjuvado por Romão dos Santos, antigo treinador do Benfica de Bissau, assumiu a orquestra nacional, quando estava em último lugar no grupo E de apuramento para a CAN 2017 com a Zâmbia, Quénia e RDCongo.

"Tínhamos um ponto. A minha estreia foi contra o Quénia em Bissau, ganhamos 1-0. Na segunda mão fomos para lá ganhar também por 1-0 e fizemos 6 pontos em dois jogos. Recebemos a Zâmbia em Bissau, naquela partida infernal, e ganhamos 3-2, fizemos 10 pontos e garantimos a primeira presença da Guiné-Bissau na fase final de um CAN, quando faltava ainda uma jornada por disputar".

A seleção guineense, com Candé a liderar a equipa técnica, tem feito todo esse percurso sem as condições mínimas exigidas para o futebol profissional. Muita das vezes são os jogadores que tiram do bolso para pagar as despesas e já dormiram, por diversas vezes, nos aeroportos por falta de recursos. Dizia-se em Bissau, que "os Djurtus ganhavam muito por mérito e sacrifício dos jogadores". Há várias denúncias de corrupção e de desorganização contra a Federação de Futebol, cuja direção é apontada como principal responsável pela situação precária da equipa nacional.

Na sua histórica participação na fase final do Campeonato Africano das Nações, a Guiné-Bissau somou um empate, no jogo inaugural, contra o anfitrião Gabão e duas derrotas com os Camarões (que viria a ser a equipa campeã) e o Burkina Faso, que ficou em quarto lugar. Na altura, problemas nos balneários, críticas e um ambiente tenso afetou e muito a prestação da seleção. A polémica entre Baciro Candé e alguns jogadores mais experientes, que ajudaram a qualificar a equipa, pesou bastante no Gabão, segundo noticiava a imprensa desportiva guineense. Pouco mais de um ano depois da sua primeira qualificação para o CAN, a seleção guineense depende apenas de si para estar novamente no certame a realizar-se de junho a junho do próximo ano. 

Nesta entrevista à DW África, Baciro Candé confessa que o seu maior sonho é garantir a presença da Guiné-Bissau na fase final do Mundial de Futebol, para mostrar ao mundo que o país tem potencial e é viável. 

Os comentadores desportivos em Bissau consideram Baciro Candé como uma figura muito criticada pela forma como gere o balneário, pela maneira  como faz as suas convocatórias e como monta o seu sistema tático, mas que no final apresenta resultados positivos. "Odiado por uns e amado por uns tantos outros".  

No meio de amor e ódio, Baciro Candé é considerado pela crítica como o mais histórico selecionador de futebol da Guiné-Bissau e, consequentemente, o melhor em termos de resultados. 
Rispito.com/DW, 19/11/2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público