segunda-feira, 19 de novembro de 2018

JOMAV defende continuidade do Governo de Aristides Gomes para realizar eleições

Guiné-Bissau:Após reunião com régulos, JOMAV defende continuidade do  Governo de Aristides Gomes para realizar eleições
O Presidente da República, José Mário Vaz, defendeu que o governo liderado por Aristides Gomes vai continuar a dirigir os destinos do país e consequentemente realizar as eleições legislativas depois que todos os cidadãos nacionais maiores de 18 anos tiverem sido recenseados.


O Chefe de Estado respondia a questão de jornalistas sobre os rumores de uma eventual queda do governo depois de amanhã, 18 de Novembro, a data anteriormente indicada para a realização das eleições legislativas.

Segundo o jornal «O Democrata» online, a reunião com os régulos de diferentes regiões do país visava analisar a situação dos mesmos. Entre outros assuntos, os régulos apelaram à Sua Excia que intervenha e que use a sua influência para garantir viaturas aos régulos bem como a implementação dos poderes regulamentados na Constituição da República.

O diário referido descreve que o encontro decorreu na pequena cidade de Bula, região de Cacheu, norte da Guiné-Bissau, num dos aparthotéis daquele sector. A ocasião permitiu igualmente para os régulos pedirem ao Presidente José Mário Vaz a promulgação da lei de terra, aprovada pela Assembleia Nacional Popular faz muito tempo.

Interpelado pelos jornalistas à saída da reunião, José Mário Vaz tranquilizou os guineenses sobre os rumores da queda iminente do governo, garantindo que o executivo de Aristides Gomes vai continuar e vai organizar as eleições legislativas.

“Não se justifica de forma alguma o derrube deste governo. Não é possível! Este governo é quem vai organizar as eleições. O que apelamos é apenas o entendimento entre o Primeiro-ministro e todos os partidos políticos, a fim de podermos ter um recenseamento limpo de forma a podermos ter também umas eleições livres, justas e transparentes”, espelhou.

Questionado a propósito da realização de eleições neste ano (2018), respondeu que tudo não depende apenas dele neste momento, mas também das negociações entre o Primeiro-ministro e os partidos políticos.

“A nossa preocupação neste momento é não precipitarmos este processo. Devemos ir devagar para que possamos realmente ter um bom recenseamento eleitoral e para que o nosso país não volte a envolver-se em problemas”, advertiu.

Sobre a falta do ministro do Interior, disse que haverá um ministro do interior, sem precisar a data exata da sua nomeação, refere o mesmo diário digital.
Rispito.com/A Semana, 19-11-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público