terça-feira, 11 de dezembro de 2018

PM guineense pede a Ministério Público para libertar instalações do GTAPE

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, pediu hoje à Procuradoria-Geral da República para libertar as instalações do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), para que o recenseamento eleitoral prossiga.

A Procuradoria-Geral da República explicou hoje, em comunicado, que não mandou suspender o recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau e que apenas ordenou a suspensão dos trabalhos do servidor principal.

"Se não ordenou que deixe o pessoal do GTAPE retomar o trabalho. A sede do GTAPE é o cérebro. Se o cérebro não funciona, não estou a ver como um indivíduo pode ter reflexos, os reflexos partem do cérebro. Para ser coerente que liberte as instalações da GTAPE e que a GTAPE possa continuar o seu trabalho", afirmou Aristides Gomes.

Aristides Gomes sublinhou também que o servidor está nas instalações do GTAPE, a que "ninguém pode ter acesso", o que quer dizer que é "impossível prosseguir com o recenseamento em condições".

Questionado pelos jornalistas sobre o prazo para a conclusão do recenseamento eleitoral, o primeiro-ministro disse que "depende do desbloqueamento da situação atual", sublinhando que o Governo já recorreu da decisão do Ministério Público, que é, disse, "desproporcional, injusta e infundada".

O primeiro-ministro guineense falava aos jornalistas na cerimónia de despedida dos técnicos eleitorais timorenses que estiveram a prestar apoio ao processo eleitoral.

Nas declarações aos jornalistas, Aristides Gomes disse que está no país uma equipa de peritos para fazer uma auditoria ao processo de recenseamento e que aguardam que a situação seja ultrapassada para começarem a trabalhar.

Um despacho do Ministério Público, divulgado quinta-feira ao final do dia, ordenava a suspensão dos trabalhos, requisitava às forças de segurança para controlar as entradas e saídas de pessoas e para interditar a entrada de pessoas não autorizadas.

Hoje, a Procuradoria-Geral da República guineense emitiu um comunicado à imprensa onde afirma que nunca suspendeu o recenseamento eleitoral e que apenas ordenou a suspensão dos trabalhos do servidor principal.

O Ministério Público guineense está a investigar alegadas irregularidades ao recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau.
Rispito.com/Lusa, 11-12-18

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público