sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Documentos de Cabral em Portugal têm de vir para Cabo Verde ou Guiné-Bissau 

Image result for janira hopffer almadaA líder do maior partido da oposição cabo-verdiana (PAICV) defende que os documentos de Amílcar Cabral que se encontram na Fundação Mário Soares, em Portugal, têm de ficar em Cabo Verde e na Guiné-Bissau.
À margem da visita que Janira Hopffer Almada realizou  à sede da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), na cidade da Praia, a líder de PAICV disse aos jornalistas que estes documentos do fundador da nacionalidade devem ser "objeto de um tratamento emergencial".
"Temos acompanhado a incerteza sobre a Fundação Mário Soares e achamos que é uma oportunidade para os importantes documentos sobre a luta pela libertação, o PAIGCV e o fundador da nacionalidade Amílcar Cabral virem definitivamente para África e para Cabo Verde e Guiné-Bissau", disse.
E acrescentou: "Estes documentos, por traduzirem a nossa história, devem ser antes de mais objeto de um tratamento emergencial que passa pela sua conservação e salvaguarda, sem prejuízo de se acautelar a recolha, o transporte e a guarda provisória".
Janira Hopffer Almada sublinhou que Cabo Verde tem a Fundação Amílcar Cabral, presidida pelo antigo combatente e ex-Presidente Pedro Pires que, "pelo seu percurso, o seu saber e grande prestígio, poderá dar uma grande contribuição e será um parceiro fundamental neste processo".
"Esta é uma questão de Estado que deve merecer um tratamento de Estado que implica que o Governo faça uma articulação positiva com o Estado da República da Guiné-Bissau", pois "é preciso definir quais os documentos devem ficar em Cabo Verde e na Guiné Bissau", sustentou.
Para Janira Hopffer Almada, "há um princípio que estes países não podem abrir mão: esses documentos devem estar em Cabo Verde e/ou na Guiné-Bissau".
Para tal, acrescentou, é preciso definir critérios, contando com a ajuda da filha de Amílcar Cabral, Iva Cabral.
A dirigente do PAICV defendeu ainda a criação de um protocolo entre Cabo Verde e a Guiné-Bissau "de cooperação e cultura para salvaguardar e garantir a transmissão para as novas gerações da história".
Em novembro passado, Pedro Pires transmitiu ao Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, preocupação com o futuro de escritos originais do "pai" da nação, depositados na Fundação Mário Soares, em Lisboa, que atravessa problemas financeiros.
Rispito.com/Lusa, 18-01-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público