terça-feira, 25 de junho de 2019

José Mário Vaz “rouba as eleições” na Guiné-Bissau, diz Obasanjo

Image result for OBASANJO
Antigo Presidente da Nigéria avisa o chefe de Estado guineense que se pretender manter-se no cargo, mesmo derrotado nas eleições, “será aconselhado a deixar o poder”, como aconteceu na Gâmbia e na Costa do Marfim.

“A situação na Guiné-Bissau é lamentável”, referiu esta terça-feira o ex-mediador da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Olusegun Obasanjo. Para o antigo Presidente da Nigéria, José Mário Vaz “rouba as eleições” e pode até estar a preparar-se para se manter no poder mesmo perdendo as eleições de 24 de Novembro.

Os misteriosos enjoos e vómitos de tripulantes e passageiros no novo avião da TAP
Alterações climáticas: “O rio dá muito às pessoas, mas também lhes retira tudo”
Em entrevista à agência Lusa, Obasanjo traça o retrato de um Presidente guineense desgostado com os poderes limitados que a Constituição lhe dá, actuando nestes cinco anos de mandato – que formalmente terminaram no domingo passado – como se a Guiné-Bissau tivesse um regime presidencialista que não tem.

“Sugeri-lhe que se quer exercer o poder como o Presidente do Senegal tem que alterar a Constituição e depois de eleito com essa nova Constituição pode exercer plenamente o poder executivo”, referiu o ex-Presidente da Nigéria, nomeado em 2015 como mediador da CEDEAO para a crise política desencadeada pelo chefe de Estado ao demitir o primeiro-ministro Domingos Simões Pereira.

Obasanjo lembra que José Mário Vaz se lamentava pelo facto de “nem sequer ter um orçamento”. Na Guiné-Bissau, “o orçamento tem de ser preparado pelo primeiro-ministro e aprovado pela Assembleia Nacional e ele não compreende isso”.

É, por isso, que o ex-chefe de Estado da Nigéria não exclui a possibilidade de Vaz vir a não reconhecer os resultados das eleições presidenciais de Novembro, caso não consiga ganhar. “Pelo que tem feito até agora, não podemos excluir nenhuma possibilidade”, diz.

Se isso acontecer, a CEDEAO terá de se chegar à frente e obrigar José Mário Vaz a entregar o poder: “Fizemos isso na Gâmbia, onde o Presidente Yahya Jammeh perdeu as eleições e não queria sair. Foi feito também na Costa do Marfim.”
Rispito.com/Publico, 25-06-2019


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público