segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Portugal vai apoiar ensino politécnico na Guiné-Bissau

Uma parceria estratégica que tem na mira três projetos de referência na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal.
A Guiné-Bissau quer criar uma rede de ensino politécnico com vários polos no interior, associados a setores estratégicos. Como fonte de inspiração tem os politécnicos portugueses e a “forte relação” que estes mantêm com as “respetivas comunidades”.

Foi dado um primeiro passo nesse sentido no âmbito do programa de cooperação entre Portugal e a Guiné-Bissau, que além de trazer ao Instituto Politécnico de Setúbal o ministro da Educação Nacional e Ensino Superior daquele país, incidiu em três projetos emblemáticos atualmente em curso na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal/IPS). Trata-se do programa de formação BrightStart, lançado em parceria com a consultora Deloitte, e da Oficina Lu Ban Portuguesa, que resulta de uma parceria com o governo municipal da região chinesa de Tianjin e o Innovation Lab.

Além da língua comum e dos laços históricos e culturais, Portugal surge neste projeto como parceiro estratégico da Guiné-Bissau pelo seu “sistema de ensino hoje altamente reconhecido em todo o lado”, justificou Daurtarin Costa. O ministro destacou ainda a urgência de “aumentar os níveis de formação dos guineenses e de, em simultâneo, ganhar sustentabilidade para o nosso processo de desenvolvimento”.
Rispito.com/Jornal Economico, 16-09-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público