quarta-feira, 30 de outubro de 2019

José Mario Vaz demitiu o governo para impedir eleições - EL PAÍS

Image result for el paisA Comunidade dos Estados da África Ocidental, que mantém uma força de manutenção da paz no país, descreve o decreto presidencial como ilegal e mostra seu apoio ao Executivo.
O presidente da Guiné-Bissau, José Mario Vaz, demitiu nesta segunda-feira por decreto a todo o governo e nomeou horas depois o novo primeiro-ministro Faustino Fudut Imbali, três semanas antes das eleições presidenciais e um pouco mais para este pequeno país. Africano de menos de dois milhões de habitantes na grave crise política que sofre há quatro anos. O executivo, no entanto, não reconhece o decreto assinado pelo chefe de estado e todos os seus membros passaram a trabalhar nesta terça-feira. A Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) reagiu, chamando o decreto presidencial de "ilegal" e mostrando seu total apoio ao governo.

Image result for JOSE MARIO VAZ guinea bissauEm 23 de outubro, o próprio primeiro ministro, Aristides Gomes, denunciou publicamente a existência de um plano para executar um golpe de estado destinado a impedir a realização de eleições presidenciais, agendadas para 24 de novembro. Esta é precisamente a intenção do Presidente Vaz, que assiste a tais eleições como independentes, mas abriga o sério medo de ser derrotado por seu grande rival político, Domingos Simões Pereira, líder do histórico Partido Africano pela Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). . Outro presidente africano que resiste à marcha e está disposto a torcer a lei para permanecer no cargo.

O país também está dividido entre aqueles que apóiam o PAIGC, que obteve 54 dos 102 assentos na legislatura de março e controla o Parlamento e o Governo, e eles querem uma eleição presidencial em novembro para sair do bloqueio político que o país está passando, por um por outro lado, e por outro lado, aqueles que apóiam Vaz, cujo mandato já foi concluído e prorrogado, e exigem um novo atraso eleitoral, alegando irregularidades no censo. No sábado, este último demonstrou em Bissau, a capital do país, e houve uma morte em circunstâncias estranhas. O atual presidente pretende economizar tempo e colocar um governo propenso a seus interesses, que controla o processo eleitoral, o que lhe permitiria repetir o mandato para um segundo mandato.

O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, garantiu à Lusa na terça-feira que o referido decreto "foi assinado pelo candidato José Mario Vaz e não pelo presidente". Na sua opinião, ele está de serviço após o término do mandato em 23 de junho e foi prorrogado pelo acordo alcançado no âmbito da CEDEAO, com a única intenção de chegar às presidenciais. Portanto, ele considera que Vaz não tem autoridade para demitir o governo.

A CEDEAO não demorou a reagir. O órgão que mais defendeu a realização de eleições e o respeito ao calendário eleitoral e que mantém no país uma força composta por cerca de 500 policiais e soldados da Costa do Marfim, Nigéria, Senegal e Togo emitiram uma declaração na qual ele descreve o decreto presidencial como "ilegal" e mostra todo o seu apoio ao governo liderado por Aristides Gomes. Nesta manhã de terça-feira, as ruas de Bissau estavam silenciosas e não houve movimentos entre os militares bisauguinenses, a outra chave em um país que sofreu duas guerras e quatro golpes nos últimos 40 anos.

O governo português já manifestou, através do ministro das Relações Exteriores, Augusto Santos Silva, "muita preocupação" com a situação na Guiné-Bissau. "Isso nada impede a realização das eleições presidenciais", disse o ministro a jornalistas na terça-feira em Bruxelas. "A posição de Portugal é totalmente clara", acrescentou, e é "que há estabilidade".

Os cidadãos são os que mais sofrem com esse impasse. A situação de instabilidade e o bloqueio político favoreceram um enorme aumento na percepção de corrupção, de acordo com a Transparency International, que a colocou em 173 dos 179 países em 2018. As altas taxas de pobreza e o colapso do estado favoreceram que o país Torna-se um paraíso para os traficantes colombianos, uma atividade ilegal na qual oficiais, militares e empresários estiveram envolvidos. O tráfico ilegal de madeira é outro dos prós

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público