sábado, 5 de outubro de 2019

Se for eleito Sissoco Embaló diz que será "implacável na luta contra a corrupção"

A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos graduadosO candidato às eleições presidenciais da Guiné-Bissau Umaro Sissoco Embaló promete que se for eleito será implacável na luta contra a corrupção para “resgatar a credibilidade” do país e atrair investimento.

Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, o candidato apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem G15) refere que o país precisa de mudança e considera que é a pessoa certa para “dignificar a Guiné-Bissau” e “refundar o Estado”.

De acordo com Umaro Embaló, estas medidas permitirão atrair mais investimento para o país porque “o investidor gosta de paz, serenidade e credibilidade”.

Questionado sobre o caráter executivo das medidas que propõe e se, nesse sentido, defende a mudança para um sistema presidencialista no país, Umaro Emabaló considera que “a questão não é essa”.

“Nós temos de fazer uma simbiose entre Presidente da República e Governo para atrair mais investidores e para fazermos isso temos que dar a garantia, temos de ter um Presidente que faz respeitar a Constituição e uma boa coabitação com os diferentes órgãos de soberania - justiça, parlamento e Governo”, justifica.

Sobre se considera que terá uma boa coabitação com o atual governo do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), o candidato respondeu: “claro que sim”.

“O homem é que faz a função, eu na Presidência, com a minha personalidade, como garante da Constituição eu ia garantir uma coabitação sã e um clima de entendimento recíproco e ia funcionar. Comigo isso vai funcionar”, considera.

Apesar das divergências públicas e de o seu partido ter sido fundado por dissidentes do PAIGC, Umaro Embaló garante que, se for eleito, a questão não será afastar este partido do Governo, nas “mudar a mentalidade do homem guineense e perceber que o erário público é sagrado”.

“Mesmo se o Madem ganhar as eleições, serei implacável na luta contra a corrupção”, diz, assegurando que “haverá mudança" no país. “Eu farei respeitar a Constituição porque serei a primeira pessoa a respeitá-la”.

Questionado sobre o papel do atual chefe de Estado na crise que o país atravessa, Umaro Embaló recusa falar do Presidente José Mário Vaz, uma pessoa por quem diz ter respeito.

“Aquilo que posso dizer e garantir à comunidade guineense é que serei um Presidente da simbiose nacional, que pode trazer o entendimento entre todas as camadas, tenho de quebrar este pacto de desentendimento que há entre os guineenses”, diz.

Instado a comentar as críticas de opositores que consideram ter pouca experiência para se candidatar a Presidente por ter apenas 47 anos, Umaro Embaló fala da sua experiência nas Forças Armadas – é general na reserva -, do período em que foi primeiro-ministro (entre novembro de 2016 e janeiro de 2018) e realça as boas relações que tem com vários dirigentes da África Ocidental.

Além de Embaló, entre os 19 candidatos às eleições presidenciais previstas para 24 de novembro próximo estão o atual Presidente, José Mário Vaz, o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, o ex-primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, ambos como independentes, e Nuno Nabian, da APU-PDGB.
Rispito.com/Lusa, 05/10/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público