domingo, 17 de novembro de 2019

Aproveitamento político de etnias e religiões é grave

Image result for baciro djaO candidato às eleições presidenciais de 24 de novembro na Guiné-Bissau apoiado pela Frente de Salvação Nacional (Frepasna), Baciro Djá, considerou que o aproveitamento político das etnias e religião é grave.
"Amaior conquista dos guineenses e do legado de Amílcar Cabral foi a consolidação da unidade nacional. Hoje essa unidade nacional está em causa, muitos políticos estão a aproveitar-se das sensibilidades étnicas e religiosas para tirarem proveito político e isso é grave", alertou Baciro Djá, em entrevista à Lusa.

Para o antigo primeiro-ministro guineense, um político preparado, patriota e comprometido com o país "não pode trazer para o debate político o aspeto tão sensível da etnia e da religião".
"Nós estamos preocupados com isso e é por isso que apelamos à sociedade guineense e política para de facto enveredarem por discursos que possam trazer os guineenses para uma base de unidade nacional e não de separação", salientou.

Baciro Djá apelou aos guineenses para que, no dia 24 de novembro, escolham um "homem de Estado" e com experiência política e de governação.
"Muitas vezes os guineenses queixam-se que são os políticos os responsáveis pela situação em que o país se encontra. É verdade. Mas também não deixa de ser verdade que quem escolhe os políticos é o povo e o povo deve saber escolher uma pessoa que possa de facto consolidar um verdadeiro Estado democrático e uma verdadeira Nação guineense", afirmou.

Baciro Djá criticou também o que considera ser o "clientelismo político", sublinhando que na Guiné-Bissau não há um problema ideológico, simplesmente porque os políticos não têm ideologia.
"É uma questão de clientelismo político, porque a maioria deles são comerciantes, homens de negócios, que assaltaram a política, são alpinistas políticos, que chegaram à política e querem fazer da política tráfico de influências", disse.
"Peço aos guineenses, no dia 24 não vamos escolher o homem mais bonito ou mais rico, vamos escolher o homem que tem mais experiência política, aquele homem que tem mais preparação, mais capital de relações internacionais e cultura de Estado", afirmou.

Na entrevista, Baciro Djá deixou também críticas à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que tem mediado a crise política na Guiné-Bissau desde 2015.
"A CEDEAO tem tido um papel incongruente neste conflito político institucional na Guiné-Bissau. A CEDEAO não tem tido um papel de facto firme e coerente na Guiné-Bissau. É uma organização de que fazemos parte, necessitamos dessas organizações, mas a CEDEAO tem de saber que a Guiné-Bissau é um Estado soberano e independente", afirmou.

Baciro Djá deixou também críticas ao candidato Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), salientando que o Estado da Guiné-Bissau é laico e que isso deve ser respeitado, referindo-se ao uso do lenço utilizado por homens muçulmanos na cabeça e que é a "imagem de marca" daquele candidato.
"Mas o mais importante é que o que está atrás do lenço, o conteúdo é o mais importante. Nós não podemos permitir que a Guiné-Bissau seja um Estado refúgio de salafistas, de terroristas e de fundamentalistas religiosos, não podemos permitir que na Guiné-Bissau existam pessoas que recebem fundos de fundamentalistas religiosos, isto é grave, e a sub-região, a comunidade internacional não pode permitir isso", afirmou.

O antigo primeiro-ministro, que disse querer o voto de todos os guineenses, salientou também que o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) não pode ser mais importante que o país, quando questionado sobre o tráfico de droga.
"Quando o PAIGC está no poder há tráfico de droga. É uma casualidade ou uma realidade? Questão a colocar os guineenses", disse Baciro Djá, que foi vice-presidente daquele partido.

O candidato considerou também que nas legislativas de março passado as consciências das pessoas foram compradas com o dinheiro da droga e do fundamentalismo religioso.
"Isso é grave para um país. Qualquer dia vamos ter um traficante de droga como chefe de Estado, um salafista fundamentalista religioso como chefe de Estado e isso é um perigo para o Estado da Guiné-Bissau, é um perigo para a unidade nacional, é um perigo para sub-região e é um perigo para a comunidade internacional", acrescentou.
Rispito.com/Lusa, 17/11/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público