quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Declaração do Candidato Dr. José Mário Vazsobre os resultados provisórios 

Povo da Guiné-Bissau,
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadasSaúdo e felicito a todos e a cada um dos Guineenses que, com sentido de responsabilidade e de patriotismo participaram de forma cívica nestas eleições presidenciais.
Hoje, de consciência tranquila e com o profundo sentimento do dever cumprido no exclusivo interesse da Pátria e dos meus concidadãos, sem atender a interesses que lesam a nossa soberania e as Leis da República, venho agradecer a todos os guineenses e em especial os que votaram na nossa candidatura, e também uma palavra de reconhecimento e gratidão à minha família por esta caminhada que juntos empreendemos, para a realização dos desígnios nacionais de Liberdade, Soberania, Igualdade e Justiça.

Disputei com muito orgulho o segundo mandato, com o objectivo de consolidar os ganhos dos primeiros cinco anos. Estes cinco anos, que ficaram marcados pelo início de uma nova era de liberdade, de paz social e de tranquilidade interna, com respeito pelo próximo, com tolerância, sem abusos de poder, sem espancamentos, sem crianças órfãs e mulheres viúvas por razões políticas, sem golpes de estado, sem o barulho das armas, sem levantamentos militares.
Revisitando 23 de Junho de 2014 à presente data, posso dizer, orgulhosamente, que o nosso país mudou.

1 Pela primeira vez na história da Guiné-Bissau em 46 anos de Independência não tivemos um Presidente acima dos cidadãos, dispondo aleatoriamente da vida e da liberdade e do destino dos seus compatriotas. E é com orgulho que digo, comigo os Guineenses conquistaram a Liberdade individual e colectiva.
Este é um legado histórico, importante que deixo aos Guineenses e que peço que preservem e defendam e que seja o símbolo da nossa luta.
Por outro lado, os últimos cinco anos foram anos que nos permitiram compreender a natureza distinta da nossa identidade nacional e compreender os riscos acobertados pelo grupo de interesses que impendem sobre a nossa soberania. No intuito de defender os jovens Guineenses, usei a minha magistratura de influência para combater o flagelo da droga, recusei dar aval a exploração desenfreada dos recursos naturais porque pertencem a todos os guineenses e não apenas a uma minoria.
Os nossos recursos marinhos e a nossa vasta riqueza mineral, a bauxite, o ferro, o zircónio, a ilmenite, o amianto, as rochas potencialmente diamantíferas, as pedras preciosas, o petróleo dos nossos mares, os fosfatos de Farim, o molibdeno, o cobre, o zinco e o chumbo da região de Gabu são a razão da cobiça e da ganância que provocaram a instabilidade política no nosso país, induzida por uma comunidade interesses.
Irmãos Guineenses,
Temos como alternativa a agricultura, o turismo e a pesca artesanal, que podem dar de comer a todos os guineenses e criar emprego para os nossos jovens e deverá ser o motor de crescimento para nossa economia.
Assim, os nossos recursos marinhos e a nossa riqueza mineral permaneceriam como a reserva económica e estratégica para gerações futura e evitaria a cobiça e a ganância que podem provocar a instabilidade política no nosso país patrocinado por uma comunidade de interesses.

2 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
O Presidente da República, é defensor do interesse nacional e da soberania, tornou-se num alvo a abater para abrir caminho à exploração e ao aprofundamento das desigualdades. Por isso, durante três anos, a comunidade de interesses impediu a continuidade de governos que eram maioritários no Parlamento, desprezou a nossa Constituição, impôs a violação das nossas Leis, desprezou a relevância do encerramento abusivo do Parlamento, o sequestro dos mandatos dos deputados e os apelos a golpes de estado.
Por isso, num atentado à nossa soberania, a CEDEAO foi ludibriada a fim de ditar limitações ilegais ao mandato do Chefe de Estado, apesar da Lei Eleitoral da Guiné-Bissau ser clara e inequívoca ao estabelecer que o mandato termina com a realização de eleições, que se devem realizar entre os dias 23 de Outubro e 25 de Novembro do ano em que termina o mandato presidencial (vide Arto 3o no2 e Arto 178o da Lei no10/2013 de 25 de Setembro). Por isso, a comunidade de interesses, em violação da Carta das Nações Unidas, opôs-se e impediu ao cumprimento do ditame Constitucional que obriga à demissão do governo minoritário quando a dinâmica Constitucional dá lugar à formação de uma nova maioria, celebrado um mês antes destas eleições. Face a todas estas ameaças, eu, soube sempre colocar acima de tudo e à frente de tudo o interesse nacional, as leis da República e a dignidade dos Guineenses. Foi isso o que me custou a reeleição como Presidente da República.
Porém, no superior interesse da Guiné-Bissau, honrando o sangue dos que tombaram pela nossa Sagrada Independência, eu voltaria a fazer o mesmo, da mesma forma e pelas mesmas razões de superior interesse nacional e da dignidade do meu povo.
Povo da Guiné-Bissau, jovens que não viveram a Luta pela conquista da Soberania e da Independência, eis o legado que eu vos deixo: em qualquer circunstância, a todo o momento e a qualquer preço, defendam sempre o que nós temos de mais valioso, que é a nossa identidade e a nossa soberania, a memória

3 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
honrosa dos nossos heróis e mártires, o respeito pela nossa Pátria, a nossa dignidade e a nossa Independência, porque sem soberania e dignidade um povo não tem nada.
Guineenses, durante os últimos cinco anos tiveram um Chefe de Estado que pugnou e lutou pela igualdade entre os guineenses, sem cidadãos de primeira e cidadãos de segunda, sem cidadão do interior ou da cidade, porque somos todos Guineenses e irmãos. É importante que não deixeis perder este legado e que doravante vos assegureis de que apenas sereis governados por cidadãos que vos tratem a todos de forma igual, promovendo o princípio da Igualdade.
Ao exigir que o dinheiro do Estado fique nos cofres do Estado eu tive de lutar contra os interesses instalados e enraizados na nossa sociedade. Peço aos jovens deste nosso país que assumam este combate contra a corrupção e que sejam os herdeiros desta bandeira de luta pela justiça que eu deixo nas vossas mãos. A Guiné-Bissau tem de ser de todos e para todos, e os recursos públicos não podem pertencer a uma minoria que se aproveita deles em prejuízo da grande maioria.
Às Forças de Defesa e Segurança o meu agradecimento pelo comportamento republicano e pela forma digna como trabalharam sob o comando do Comandante Supremo na defesa da Pátria e da Soberania. A acalmia, o sossego, a liberdade, a paz social e a tranquilidade interna conquistados nos últimos cinco anos são um legado comum das Forças de Defesa e Segurança e do Chefe de Estado. Peço-lhes que este passe a ser, doravante, o timbre do comportamento e da postura das nossas Forças Armadas que tem por missão Constitucional assegurar a tranquilidade dos Guineenses.
Apesar das vicissitudes do processo eleitoral, apesar de elevado número de cidadãos impedidos de votar, por não constarem nos cadernos eleitorais que foram publicitados 10 dias após o prazo legal estabelecido, apesar de terem aparecido urnas com votos

4 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
previamente preenchidos, apesar dos locais de funcionamento das assembleias de voto terem sido publicitados 30 dias após o prazo legal estabelecido, eu continuo fiel aos ideais da paz, da democracia e liberdade que sempre me nortearam e aceitarei quaisquer resultado que sejam publicados pelo órgão de gestão eleitoral, Comissão Nacional das Eleições (CNE).
O Presidente da CNE e a sua equipa na posse de todos os dados, sabem perfeitamente quem realmente deveria estar nesta disputa na segunda volta.
Quero felicitar a todos os candidatos que se apresentaram nesta disputa eleitoral, bem como encorajar e desejar boa sorte aos dois candidatos mais votados para a segunda volta das eleições presidenciais.
O poder é do povo, e este entendeu que chegou a hora de colocar nesta cadeira um outro cidadão que conduzirá os destinos do país nos próximos cinco anos. Eu vou continuar a servir o meu país e ao meu povo no sector privado de onde tinha saído.
Irmãos Guineenses,
Ao transferir a faixa presidencial ao meu sucessor, facto inédito na Guiné-Bissau ao fim de 46 anos, farei com orgulho, pois será um marco na democracia da Guiné-Bissau, e eu, sairei de cabeça erguida, com a missão cumprida e caminharei pelas ruas desta nossa terra com a consciência tranquila, em paz, porque não matei, não roubei, não menti, não torturei, não violei direitos e cumpri o meu dever enquanto Presidente da República, lutando pelos ideais de Liberdade, Soberania, Igualdade, Justiça e humanismo, nos quais acredito.
Uma chamada de atenção do Presidente da República à Comunidade Internacional, apesar das irregularidades, aceito o resultado afim de contribuir para a pacificação da sociedade.

5 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
Também queria chamar atenção a comunidade internacional pelos princípios que conseguimos lutar e erradicar que foi sentimento do ódio, da vingança, do rancor, da perseguição, da prisão arbitrária, da retaliação e ajuste de contas, nunca mais deverá ter lugar no nosso país e contamos com o acompanhamento directo e responsável da comunidade internacional e em especial os nossos irmãos da sub-região porque conseguimos conquistar algo inédito para o nosso país e para o nosso povo. Os Guineenses podem continuar a contar comigo, e estarei sempre na linha frente em defesa de tudo quanto nos conquistamos.
Estou convicto de que, com a determinação e coragem que sempre caracterizaram o povo Guineense, nunca mais ninguém volta a parar o nosso país.

Viva a República da Guiné-Bissau!
Que Deus abençoe a Guiné-Bissau e ao seu Povo!
POR: BRAIMA DARAME

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público