sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Presidente eleito realiza visita ao Senegal

O Presidente eleito da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, realiza hoje uma visita ao Senegal, informou a sua candidatura numa nota.
“O Presidente da República eleito da Guiné-Bissau realiza esta sexta-feira (hoje) a sua primeira deslocação ao exterior depois da sua eleição na segunda volta das eleições presidenciais realizada no domingo”, refere-se na nota.

Durante a sua estada em Dacar, Umaro Sissoco Embaló tem previsto encontros com as autoridades daquele país vizinho da Guiné-Bissau.
O major-general tem uma relação de proximidade com o Presidente senegalês, Macky Sall, que por sua vez terá alegadamente dado apoio ao Presidente eleito.

Em entrevista à Lusa, em Dezembro, durante a campanha eleitoral para a segunda volta das presidenciais, Umaro Sissoco Embaló disse que a relação com aquele país é “mais benéfica” para a Guiné-Bissau do que para o Senegal.
“O Senegal é um país emergente. A minha relação com o Presidente Macky Sall vai contribuir de muitas formas para elevar a voz da Guiné-Bissau. É uma pessoa que sempre tratou bem a Guiné-Bissau. Sempre apoiou a Guiné-Bissau e não é de hoje”, disse Umaro Sissoco Embaló.
“O alcance diplomático, a credibilidade do Senegal é uma coisa estrondosa e nós temos de aproveitar isso, a formação, o apoio. O Senegal será um parceiro estratégico, tal como a Guiné-Conacri”, salientou.

Os dois países criaram uma comissão negocial para um novo acordo sobre a exploração da zona económica conjunta, que inclui recursos haliêuticos e hidrocarbonetos, depois de em 2014 o Presidente cessante, José Mário Vaz, o ter denunciado.

Sobre o acordo de exploração da zona económica conjunta com o Senegal, Umaro Sissoco Embaló disse que pretende que seja revisto, e recordou que quando era primeiro-ministro o Presidente senegalês lhe disse que o objectivo era dividir igualmente as receitas.

O anterior acordo, denunciado pelo Presidente cessante, José Mário Vaz, previa que a exploração dos recursos haliêuticos fosse dividida em 50% por cada um dos Estados e que os hidrocarbonetos (petróleo e gás), ainda em fase de prospecção, seriam divididos em 15% para a Guiné-Bissau e 85% para o Senegal.

O candidato derrotado nas presidenciais, Domingos Simões Pereira, afirmou, em entrevista à Lusa em Dezembro, durante a segunda volta das presidenciais, que “provavelmente o chefe de Estado senegalês e o próprio Senegal” ficariam “bastante mais tranquilos” se o seu adversário fosse eleito.
Domingos Simões Pereira afirmou que é preciso perceber se a “delimitação da fronteira marítima entre o Senegal e a Guiné-Bissau está abrangida pelo acordo que foi assinado antes da proclamação da independência dos dois países” ou se é “algo posterior a essa proclamação”.
“O Senegal descobriu petróleo, descobriu gás, mas descobriu petróleo onde? Descobriu gás onde?” – questionou, referindo-se ao traçado que delimita a fronteira marítima entre os dois países e a zona conjunta, bem como os azimutes que levaram à definição desse traçado.

A Zona Económica Conjunta tem cerca de 25 mil quilómetros quadrados da plataforma continental e é gerida por uma agência de gestão e cooperação, baseada em Dacar, actualmente presidida pelo antigo primeiro-ministro guineense Artur Silva.

Segundo os resultados provisórios da Comissão Nacional de Eleições guineense, Umaro Sissoco Embaló venceu as presidenciais com 53,55% dos votos, enquanto Domingos Simões Pereira obteve 46,45%.
Rispito.com/Infor Press, 03-01-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público