segunda-feira, 2 de março de 2020

“Continua a agressão contra as instituições de Estado por parte dos golpistas” – Aristides Gomes

O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, disse hoje, através de uma publicação no Facebook, que continua na Guiné-Bissau “a agressão contra as instituições de Estado por parte dos golpistas”, com a “invasão” do Instituto Nacional de Segurança Social.

Na publicação efectuada hoje, pouco depois das 14:00, Aristides Gomes afirmou que no princípio da tarde “um grupo de militares ocupou o Instituto Nacional de Segurança Social e expulsou os funcionários”.

Aristides Gomes já havia denunciado no domingo, pela mesma via, que um grupo de militares invadira a sua residência, retirando as viaturas da sua escolta pessoal e proferindo ameaças.
Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições, tomou posse simbolicamente como Presidente guineense na quinta-feira, numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça ainda analisa um recurso de contencioso eleitoral interposto pela candidatura de Domingos Simões Pereira.

Após estas decisões registaram-se movimentações militares, que ocuparem várias instituições de Estado, incluindo a rádio e a televisão públicas, de onde os funcionários foram retirados e as emissões suspensas.

Cipriano Cassamá, que tinha tomado posse na sexta-feira como Presidente interino, com base no artigo da Constituição que prevê que a segunda figura do Estado tome posse em caso de vacatura na chefia do Estado, renunciou domingo, 01, ao cargo por razões de segurança, referindo que recebeu ameaças de morte.

Umaro Sissoco Embaló já afirmou que não há nenhum golpe de Estado em curso no país e que não foi imposta nenhuma restrição aos direitos e liberdades dos cidadãos.
Rispito.com/InforPress, 02-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público