segunda-feira, 2 de março de 2020

Marcelo diz que não se justifica retirar portugueses da Guiné-Bissau e pede tranquilidade

Marcelo diz que não se justifica retirar portugueses da Guiné-Bissau e pede tranquilidadeO Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou hoje para que "haja paz e tranquilidade" na Guiné-Bissau, mas considerou que "não se justifica, neste momento" retirar os portugueses que vivem naquele país.

À chegada ao Salão Internacional do Setor Alimentar e Bebidas (SISAB), em Lisboa, o Presidente da República disse estar "a acompanhar a situação da Guiné-Bissau" que vive mais um momento de tensão política, depois de o autoproclamado Presidente Umaro Sissoco Embaló ter demitido na sexta-feira Aristides Gomes do cargo de primeiro-ministro e nomeado Nuno Nabian.

"Como disse o senhor ministro dos Negócios Estrangeiros e como disse a CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) e como disse a CEDAO(Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), nós o que desejamos é que seja uma situação em que haja paz, tranquilidade, respeito institucional, não conflitualidade, não situações de tensão e de agravamento de tensão. Que se evite isso, é fundamental", afirmou.
Questionado sobre uma eventual retirada dos portugueses que vivem na Guiné-Bissau, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "não se justifica neste momento nada disso", mostrando-se esperançoso que "a situação evolua dentro de um clima de tranquilidade institucional".

"Há alguns, embora poucos milhares, de portugueses que vivem na Guiné-Bissau e [espero] que naturalmente cooperem nesse mesmo espírito de tranquilidade e de pacificação", apelou Marcelo Rebelo de Sousa.
O chefe de Estado apelou também a estes cidadãos que "restrinjam naturalmente a sua atividade se sentirem que devem restringir, ou se tiverem algum problema específico -- até agora não sucedeu - , que comuniquem imediatamente com a embaixada ou com as estruturas competentes".

O presidente português salientou ainda que "dizer mais do que isto é estar a imiscuir naquilo que é a vida interna de um país soberano".

Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições, tomou posse simbolicamente como Presidente guineense na quinta-feira, numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça ainda analisa um recurso de contencioso eleitoral interposto pela candidatura de Domingos Simões Pereira.
Rispito.com/Lusa, 02-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público