sexta-feira, 13 de março de 2020

Há cada vez mais jovens de 13 e 14 anos a consumir droga na Guiné-Bissau

Image result for jovens de regiões de BafatáUm estudo da organização não-governamental ENDA - Guiné-Bissau concluiu que há cada vez mais jovens de 13 e 14 anos a consumir ou a usar droga, em particular na região de Bafatá, leste do país.

O estudo, que incidiu nas regiões de Bafatá e Gabu, no leste, na capital, Bissau, visou determinar a cartografia estimada do tamanho da população, através de um inquérito bio-comportamental de utilizadores de drogas injetáveis na Guiné-Bissau.

Na apresentação dos resultados, o diretor da ENDA - Guiné-Bissau, Mamadu Aliu, assinalou que o estudo permitiu concluir que Bafatá é onde a população inicia mais cedo o consumo de droga, mas também é a zona onde indivíduos com mais baixa taxa de escolarização consomem estupefacientes.

Image result for jovens de regiões de Bafatá e GabuIgualmente na região leste da Guiné-Bissau, Gabu é a zona onde se notou uma maior diversidade de nacionalidades no uso e consumo de droga, bem como a multiplicidade de consumos (uso de vários tipos de drogas), referiu o diretor da ENDA.
Bissau é a zona com maior número de consumidores de drogas, mas também é onde se constatou a presença de maior taxa de escolarização entre os utilizadores, sublinhou Mamadu Aliu.

O responsável afirmou ainda que o estudo "trouxe ao de cima um conjunto de dados preocupantes", nomeadamente o facto de o uso e consumo de droga estar a "fazer subir" a taxa de prevalência de doenças como HIV/SIDA, hepatite, tuberculose e sífilis na comunidade de consumidores.

Mamadu Aliu apontou também para situações como aquela em que a escola "é transformada num dos principais pontos de consumo" e o facto de o sexo ser usado, pelas raparigas dependentes, como elemento de troca por droga.

Segundo o responsável, é preocupante o dado revelado pelo estudo de que existem muitos consumidores nas três regiões que não sabem como e onde fazer um despiste de doenças transmissíveis e muitos admitiram ser normal a troca de materiais como seringas, cachimbos e colheres.
O diretor da ENDA-Guiné-Bissau precisou que os resultados do estudo vão permitir aos decisores políticos e intervenientes na luta contra o flagelo, conhecer melhor o problema e desta forma propor políticas para o combate.

Mamadu Aliu disse que a vulnerabilidade económica da populaçãoe a falta de informação e de apoio psicológico são os principais motivos para o uso e consumo de drogas na Guiné-Bissau.
Rispito.com/Lusa, 13-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público