quinta-feira, 12 de março de 2020

DSP - Agir antes que seja demasiado tarde

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
É preciso que a Comunidade internacional e a CEDEAO tomem, sem perda demoras, medidas para repor a ordem constitucional na Guiné-Bissau. 

Caso contrário as consequências podem ser perigosas para toda a região e para o mundo - é quanto exprime o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, ao fazer a leitura da situação politica que se está a viver no país.


Na base da intensificação da crise politica na Guiné-Bissau estão – segundo o líder do PAICG, Domingos Simões Pereira - diversos factores, entre os quais interesses externos de países da região, factores étnicos e tribais, para além do trafico de droga e questões ligadas ao petróleo. Uma mistura perigosa de factores que podem, a seu ver, levar à desestabilização da região e da África, se nada for feito para repor a ordem constitucional e democrática no país.

Ele considera que se assiste a um recuo em relação ao principio de não tolerar poderes instituídos por via não democrática.

Em entrevista à Radio Vaticano, Domingos Simões Pereira faz uma leitura global do cenário politico guineense actual, pondo em realce diversos elementos que ajudam a melhor compreender esta situação, a estratégia adoptada pelo PAIGC neste momento crucial, e o papel que a Igreja e outras confissões religiosas podem desempenhar num contexto em que alguns tendem a usar o factor religioso para dividir.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público