quarta-feira, 25 de março de 2020

ONU lança Plano Global de 2 mil milhões de dólares para combater Covid–19

Plano vai apoiar resposta ao Covid–19 na América Latina, Ásia, África e Médio Oriente
O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou esta quarta-feira, 25 de março, o lançamento de um Plano Global coordenado de resposta humanitária para combater o Covid-19 em alguns dos países mais vulneráveis do mundo, para proteger milhões de vidas e travar a propagação do vírus pelo mundo. O Plano pretende ajudar a travar a propagação do vírus na América Latina, Ásia, África e Médio Oriente.
O Covid-19 já matou mais de 16 mil pessoas em todo o mundo e há já cerca de 400 mil casos reportados. O vírus está agora a chegar a países que já viviam crises humanitárias devido a conflitos, desastres naturais e alterações climáticas.

Este Plano de Resposta será implementado por agências da ONU em colaboração com Organizações Não-Governamentais e irá fornecer equipamento laboratorial e produtos essenciais para o teste do vírus e o tratamento das pessoas, instalar pontos de lavagem de mãos em campos e assentamentos, promover campanhas de informação pública sobre como as pessoas se podem proteger a si e aos outros do vírus, estabelecer pontes aéreas em África, na Ásia e na América Latina para a circulação de trabalhadores humanitários e de bens.

Durante a apresentação virtual deste Plano, feita a partir de Nova Iorque, o secretário-geral da ONU lembrou que “o Covid-19 está a ameaçar toda a humanidade e, por isso, toda a humanidade tem de reagir. A resposta individual dos países não será suficiente.”

“Precisamos de ajudar os mais vulneráveis, milhões e milhões de pessoas que são menos capazes de se proteger. Esta é uma questão básica de solidariedade humana. Também é crucial para combater o vírus. Este é o momento de apoiar os vulneráveis.”, adiantou ainda o líder da ONU.  
Para o subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, o “Covid-19 já mudou a vida de alguns dos países mais ricos do mundo. Agora está a chegar a lugares onde as pessoas vivem em zonas de guerra, não têm acesso a água potável e sabão, nem a uma cama de hospital, na eventualidade de ficarem gravemente doentes.

“Seria cruel e imprudente deixar os países mais pobres e vulneráveis do mundo à sua sorte. Se permitirmos que o coronavírus se propague livremente nesses países, estaremos a colocar milhões em alto risco, regiões inteiras levadas ao caos e o vírus terá a oportunidade de continuar a circular pelo mundo.”, explicou o também responsável pela coordenação humanitária da ONU.

Para Lowcock, “os países que estão a lutar contra a pandemia dentro das suas fronteiras estão, com razão, a dar prioridade às pessoas que vivem nas suas comunidades. Mas a dura verdade é que eles não irão conseguir proteger o seu próprio povo se não agirem agora para ajudar os países mais pobres.”
O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, que também participou no lançamento online deste Plano, lembra que “o vírus está agora a espalhar-se em países com sistemas de saúde fracos, incluindo alguns que já estão a enfrentar crises humanitárias. Estes países precisam do nosso apoio, por solidariedade, mas também para nos proteger e ajudar a travar esta pandemia. Ao mesmo tempo, não devemos combater a pandemia às custas de outras emergências de saúde humanitária.”

Para a diretora-executiva da UNICEF, Henrietta Fore, “as crianças são as vítimas ocultas da pandemia do Covid-19.

O encerramento das escolas está a afetar a sua educação, saúde mental e acesso a serviços básicos de saúde. Os riscos de exploração e abuso são maiores do que nunca. Haverá consequências como nunca vimos para as as crianças deslocadas ou que vivem em regiões de conflito.”
Durante o lançamento virtual do Plano Global de Resposta Humanitária Global para o Covid-19, o secretário-geral da ONU apelou aos Estados-membros para que se  comprometam a conter o impacto do Covid-19 em países vulneráveis, dando o maior apoio possível ao Plano, além de sustentar o apoio central aos apelos humanitários existentes que ajudam mais de 100 milhões de pessoas que dependem da assistência humanitária da ONU para sobreviver.

Os Estados-membros foram alertados para o facto de que qualquer desvio de financiamento das operações humanitárias existentes poderá criar uma situação em que a propagação da cólera, do sarampo e da meningite pode aumentar e mais crianças podem ficar desnutridas.

Para iniciar o Plano de Resposta, o subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários libertou US $ 60 milhões adicionais do Fundo Central de Resposta de Emergência (CERF) da ONU. O apoio total do CERF à ação humanitária para responder à pandemia do COVID-19 sobe assim para os US $ 75 milhões.

Essa nova alocação do CERF, uma das maiores já realizadas, apoiará: o Programa Alimentar Mundial a garantir a continuidade das cadeias de alimentos e o transporte de trabalhadores humanitários; a Organização Mundial de Saúde a conter a propagação da pandemia; e outras agências a fornecer assistência humanitária e proteção às pessoas mais afetadas pela pandemia, incluindo mulheres e meninas, refugiados e pessoas deslocadas internamente. O apoio incluirá esforços em torno da segurança alimentar, saúde física e mental, água e saneamento, nutrição e proteção.
Rispito.com/ONU, 25-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público