segunda-feira, 27 de julho de 2020

Capital FM vandalizada por homens armados

A rádio Capital FM está fora do ar após ser invadida por homens armados na madrugada deste domingo. Vários equipamentos foram destruídos. Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau aponta o dedo ao Estado.
Segundo o relato da presidente do Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau, Indira Correia Baldé, a rádio Capital foi invadida na madrugada deste domingo (26.07) por um grupo de homens armados, uniformizados como polícias, que renderam o segurança da estação emissora. 
"Por volta da 1h da manhã, recebi uma chamada do diretor adjunto da rádio Capital a informar que a estação havia sido vandalizada. O segurança foi coagido a abrir a porta da rádio e os atacantes, que estavam armados e vestindo uniformes da polícia, perguntaram onde é que fica o estúdio, a emissora. O guarda, com esta coação, indicou o lugar. Os atacantes entraram, furtaram a emissora e outros materiais, alguns computadores", relatou Baldé em entrevista à DW África.

O sindicato e profissionais da rádio Capital estão desde as primeiras horas no local a averiguar os danos do atentado. Indira Correia Baldé disse que o prejuízo é "muito avultado" e garantiu que  a "a rádio não pode, de facto, funcionar porque todos os materiais foram danificados ou furtados".
Sabino Santos, assistente técnico da rádio Capital, falou com a DW África por telefone e avançou que os danos ainda estão a ser contabilizados. "Ainda estamos na fase de levantamento, mas o que eu posso dizer agora é que a rádio está totalmente paralisada".

O assistente relatou que o atacantes "conseguiram atacar os estúdios, destruíram por completo tanto o aparelho emissor quanto a mesa de mistura, levaram o processador de áudio e destruíram a própria mesa e as cadeiras que estavam no estúdio". "Neste momento, não temos condições de estar no ar, porque tudo está danificado", constatou.

"Atentado à liberdade de imprensa"

A presidente do Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau considerou que a invasão da rádio "é um atentando à liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau", ao livre exercício do jornalismo no país, e um "atentado à democracia".
"Nós o condenamos com veemência e responsabilizamos o Estado da Guiné-Bissau, porque cabe ao Estado garantir a segurança dos profissionais e dos órgãos da comunicação social. Então responsabilizamos o Estado, porque não é a primeira vez. Houve várias ameaças à rádio Capital FM. Houve ameaças públicas, de pessoas a ameaçarem incendiar a rádio, a fazer calar os profissionais da rádio. E hoje estamos perante esta situação", avançou Indira Baldé, que se mostrou ainda mais preocupada com o facto de os atacantes estarem vestidos como polícias.
"Preocupa ainda mais, eleva o nível de preocupação. Foi o mesmo que manifestamos ao ministro da presidência do Conselho de Ministros, que há um bocado esteve aqui na rádio com uma comitiva do secretário de Estado e do ministro da Ordem Pública. É  preocupante: os polícias, ou os militares e paramilitares, devem proteger os cidadãos e os profissionais. Estando eles com uniformes a atacar, é preocupante".

Num comunicado, a Liga Guineense dos Direitos Humanos classificou o atentado contra a rádio como "cobarde", um ato que considerou ser a "concretização das sucessivas ameaças anónimas que os profissionais desta estação emissora vinham recebendo dos indivíduos desconhecidos e mal intencionados, que querem instalar a prepotência e o caos na Guiné-Bissau".

A LGDH também exigiu do Ministério Público, através da Polícia Judiciária, a abertura de um inquérito urgente, transparente e conclusivo, com vista a identificação e consequente responsabilização criminal dos autores morais e materiais deste ato cobarde

Ato isolado e apelo às autoridades

O assistente técnico da rádio Capital FM informou que o caso já foi denunciado às autoridades e que a comitiva que esteve na emissora na manhã deste domingo manifestou solidariedade aos profissionais do órgão.
"Nós já estamos a fazer as denúncias e as autoridades que já aqui estiveram manifestaram a solidariedade do Governo e disseram que é um ato isolado, que o Governo não tem nada a ver com isso. E que as medidas de segurança serão adotadas pelo bem da rádio. Ouvimos tudo isso, mas esperamos que sejam feitas investigações realistas, capazes de trazer à tona quem foi o responsável por este ato macabro e injustificável", disse Sabino Santos.

Também Indira Correia Baldé disse que o sindicato dos jornalistas guineenses pediu à Polícia Judiciária, que já fez um levantamento, "para trazer à luz os autores morais e materiais deste ato". "Nós queremos saber quem é o mandante deste atentado à liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau", afirmou.

As autoridades prometeram que a investigação vai continuar e pediram a colaboração de todos os cidadãos, segundo avançou Baldé.
"Uma rádio que acompanha a atualidade do país" 

A rádio Capital FM é uma iniciativa lançada, em 2015, por um grupo de jornalistas guineenses, liderados por Lassana Cassamá. Iancuba Dansó, correspondente da DW África na Guiné-Bissau, é um dos profissionais da emissora que tem mais de 30 funcionários, incluindo 14 jornalistas.
"Somos uma rádio que acompanha a atualidade desse país de perto. Nós defendemos a liberdade de expressão e direitos humanos na Guiné-Bissau. Talvez isso possa incomodar. Mas temos uma linha editorial bem vigiada pela direção execuvita, que não excede, mas faz a abordagem jornalística com todo o rigor necessário", explicou Sabino Santos.

Ainda este domingo, os profisisonais da rádio Capital FM e o sindicato dos jornalistas devem reunir-se com o secretário de Estado da Comunicação Social. Espera-se que até à reunião os danos totais do atentado tenham sido contabilizados.
Rispito.com/DW, 27/07/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público