segunda-feira, 27 de julho de 2020

PR da Guiné-Bissau prolonga estado de emergência até 24 de agosto

Umaro Sissoco Embalo on Twitter: "2 cas confirmés à Bissau aujourd ...

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, prolongou o estado de emergência no país até 24 de agosto, no âmbito do combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus.
Umaro Sissoco Embaló decidiu prolongar, pela sétima vez, o estado de emergência, "considerando a evolução da situação epidemiológica no país, traduzida pelo aumento do número de casos confirmados.

O chefe de Estado teve também em consideração o facto de o país estar na época das chuvas, altura em que há um "aumento de morbilidade e mortalidade na população" e quando se regista "um aumento significativo de infeções respiratórias e paludismo".
"Apesar da situação acima descrita merecer atenção especial, é de referir que foram alcançados resultados positivos na luta contra a pandemia da covid-19 graças a uma grande e múltipla solidariedade humana. Os ganhos conseguidos devem ser mantidos, consolidados e aumentados", refere Umaro Sissoco Embaló no decreto presidencial divulgado à imprensa.

O Presidente guineense anunciou também que decidiu levantar a suspensão à circulação internacional, tendo em conta a decisão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, organização de que a Guiné-Bissau faz parte, de proceder à abertura do espaço à circulação transfronteiriça.

No decreto, o chefe de Estado mantém em vigor a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção individual e o respeito pelo distanciamento físico.

Umaro Sissoco Embaló decretou o estado de emergência no país pela primeira vez em março, depois de terem sido confirmados os primeiros casos de infeção pelo novo coronavírus.

A Guiné-Bissau, com cerca de dois milhões de habitantes, tem quase um total acumulado de 2.000 casos de infeções, incluindo 26 vítimas mortais.
Rispito.com/Lusa, 27/07/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público