terça-feira, 21 de julho de 2020

Covid-19: Forças de segurança da Guiné-Bissau vão receber formação sobre direitos humanos

What do you call the disease caused by the novel coronavirus? Covid-19

As forças de segurança da Guiné-Bissau vão receber uma formação sobre direitos humanos no contexto do estado de emergência declarado para combate à pandemia do novo coronavírus, anunciou hoje a Liga Guineense dos Direitos Humanos
As forças de segurança da Guiné-Bissau vão receber uma formação sobre direitos humanos no contexto do estado de emergência declarado para combate à pandemia do novo coronavírus, anunciou hoje a Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH).

A formação será dada, a partir de quarta-feira, pela Liga Guineense dos Direitos Humanos em parceria com o Ministério do Interior e com o Alto Comissariado para a Covid-19.

A primeira sessão de formação em direitos humanos no contexto de estado de emergência é destinada aos oficiais superiores e subalternos das forças de segurança, refere, em comunicado à imprensa, a organização não-governamental.

No comunicado, a LGDH refere que a “iniciativa insere-se na nova visão de segurança pública como instrumento para a consolidação do Estado de Direito através da integração da dimensão dos direitos humanos na planificação de operações policiais”.

A formação visa também contribuir para melhorar o ambiente de segurança nas comunidades mais vulneráveis, através do policiamento de proximidade, acrescenta o comunicado.

A iniciativa, apoiada pelo Programa da ONU para o Desenvolvimento e pelo Gabinete Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, vai abranger 160 oficiais superiores e subalternos da Polícia de Ordem Pública e da Guarda Nacional e decorrer em Bissau e nas regiões.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos tem denunciado vários abusos das forças de segurança e exigiu ao Ministério do Interior a responsabilização dos elementos das forças de segurança que cometerem atos arbitrários e abusivos contra cidadãos, incluindo cobranças ilegais, e que põem em causa a integridade das corporações policiais.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, declarou o estado de emergência no país, em março, depois de detetados os primeiros casos de infeção pelo novo coronavírus.

O chefe de Estado já prolongou o estado de emergência no país por seis vezes a última das quais até 25 de julho.

A Guiné-Bissau registava até sábado quase 2.000 casos acumulados de covid-19, incluindo mais de 800 recuperados e 26 vítimas mortais.
Rispito.com/Visao, 21/07/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público