quinta-feira, 23 de julho de 2020

“O meu Presidente foi o único a propor a pena de morte para narcotraficantes”

Segundo o embaixador da Guiné-Bissau em Lisboa, isto mostra “o quanto” Umaro Sissoco Embaló “repudia este 
Embaixador da Guiné Bissau em Lisboa nega qualquer rutura ...

negócio obscuro que foi trazido” para o país. O diplomata desvalorizou a preocupação dos EUA com o afastamento de anteriores responsáveis guineenses pelo combate ao tráfico de droga. “Depois de todos
 estes anos de caos”, o atual Governo está “a refundar a república”, garantiu
Oembaixador da Guiné-Bissau em Lisboa, Hélder Vaz Lopes, lembrou esta quarta-feira que o Presidente do país, Umaro Sissoco Embaló, sugeriu a aplicação da pena de morte aos traficantes de droga. Em declarações no Aeroporto Humberto Delgado, de onde entre quinta-feira e domingo partem quatro voos com 45 toneladas de ajuda no combate à covid-19, o diplomata desvalorizou a preocupação demonstrada na véspera pelos EUA com o afastamento de responsáveis guineenses pelo combate ao narcotráfico.
“Foi-lhes apresentado que o Governo anterior é que combatia o tráfico de droga”, justificou. “O meu Presidente foi o único candidato na campanha eleitoral que disse que, se dependesse da vontade dele, proporia a pena de morte para os narcotraficantes. E, de facto, um combate sério ao narcotráfico será travado. Sabemos quando surgiu o narcotráfico na Guiné-Bissau, com quem, em que circunstâncias e para financiar que campanha eleitoral, em 2005”, acrescentou, referindo-se ao primeiro mandato de Aristides Gomes como primeiro-ministro.

Confrontado com o problema que constituiria – junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), por exemplo – a Guiné-Bissau instaurar a pena de morte, o embaixador respondeu: “Os EUA têm pena de morte…” Nova tentativa do jornalista: “Mas não pertencem à CPLP.” E, por fim, uma explicação mais detalhada: “Claro. Mas o meu Presidente disse, durante a campanha eleitoral, que se dependesse dele, proporia a pena de morte para os narcotraficantes. Naturalmente estamos a falar de uma campanha eleitoral mas isso é para traduzir o quanto uma pessoa repudia este negócio obscuro que foi trazido à Guiné-Bissau.”

Os EUA mostraram-se esta terça-feira preocupados com o afastamento de responsáveis da Guiné-Bissau pelo combate ao tráfico de droga, que estavam a ter “resultados extraordinários”. Heather Merritt, adjunta do secretário de Estado para o Gabinete para os Narcóticos Internacionais, acrescentou: “A Guiné-Bissau é um dos pontos a que os EUA estão atentos, foi um problema durante muitos anos como palco do narcotráfico” e “estamos preocupados com o tipo de Governo que está a ter e com o esforço que ele está a fazer ou não para prevenir o tráfico de droga.”

Em causa, detalhou a responsável americana, está a demissão da ministra da Justiça, Rute Monteiro, e da diretora da Polícia Judiciária, Filomena Lopes, substituídas por membros do atual Governo, liderado por Nuno Gomes Nabiam. A ex-ministra da Justiça está atualmente em Portugal depois de se queixar de perseguição pelas autoridades no país.

“OS SENHORES TÊM SIDO MUITO ENGANADOS”
Perante isto, o embaixador da Guiné-Bissau em Lisboa acusa os jornalistas de estarem “a ser manipulados. “Queria convidá-los para um encontro na minha embaixada, quando quiserem, para abordarmos de uma forma profunda todo o processo político da Guiné-Bissau nos últimos cinco, seis anos”, disse. “Para que tudo aquilo que é fruto das empresas do lóbi político, e que se traduz naquilo que os senhores recebem dos órgãos de comunicação e dão aos consumidores nas televisões e nos jornais, possa refletir a realidade”, detalhou.

“Infelizmente, os senhores têm sido muito enganados porque naturalmente acreditamos que os jornalistas em Portugal têm boas intenções e querem traduzir a verdade. Através da manipulação que empresas vocacionadas para transmitir opinião conseguem fazer passar, só uma parte passa e os senhores passam aquilo que não é verdade”, lamentou. E relatou um par de episódios: “O primeiro-ministro anterior, o Aristides Gomes, tem um processo do Ministério Público da Guiné-Bissau que o acusa do desvio de 700 e tal quilos de cocaína, depositados nos cofres da Secretaria de Estado do Tesouro Público e não na Judiciária. Eu, como embaixador em Lisboa, fui ‘convidado’ a ceder um visto a um indivíduo que é um narcotraficante colombiano. Quem é que me deu instruções para lhe dar o visto aqui em Lisboa para ir para a Guiné? Foi o Governo do Aristides Gomes. Eu não sabia quem era o senhor.”

Em fevereiro, a Comissão Nacional de Eleições declarou Umaro Sissoco Embaló o vencedor da segunda volta das eleições presidenciais. O candidato dado como derrotado, Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), não reconheceu os resultados, alegando que houve fraude, e apresentou um recurso de contencioso eleitoral no Supremo Tribunal de Justiça, que ainda não tomou qualquer decisão.

Umaro Sissoco Embaló autoproclamou-se Presidente da Guiné-Bissau e acabou por ser reconhecido como vencedor das eleições pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que tem mediado a crise política no país, e pelos restantes parceiros internacionais. Após tomar posse, o chefe de Estado demitiu o Governo liderado por Aristides Gomes, saído das legislativas de 2019 ganhas pelo PAIGC, e nomeou um outro liderado por Nuno Gomes Nabiam. O primeiro-ministro nomeado assumiu o poder com o apoio das Forças Armadas, que ocuparam as instituições de Estado.

“É DESTA GUINÉ QUE QUEREMOS QUE O MUNDO FALE”
“Pela primeira vez desde 2015 conseguimos fazer com que o Parlamento funcione porque houve uma obstrução sistemática ao funcionamento de um órgão de soberania, o que constitui crime”, sublinhou o embaixador em Lisboa. “Costumamos dizer que hoje estamos a lutar contra o bando de Odessa, um grupo de pessoas que foram instruídas e preparadas, ainda no tempo da Cortina de Ferro – do lado de lá, na ex-União Soviética – para serem os nossos líderes e que tentam a toda a força conduzir-nos para onde querem. E nós queremos esta relação com Portugal e com o Ocidente porque pensamos da mesma forma”, assegurou.

Hélder Vaz Lopes disse também que “depois de todos estes anos de caos”, o atual Governo está “a refundar a república” e tem “objetivos que passam por Portugal”. “É desta Guiné que queremos que o mundo fale, esta Guiné-Bissau que foi objeto de sacrifício de muita gente, da geração do meu pai e de outros que criaram os instrumentos que nos conduziram à independência com a perspetiva de uma sociedade de justiça, de igualdade e não de uma sociedade onde o guineense fosse o lobo do seu irmão e o devorasse. É disso que queremos falar. Não nos queremos entreter com gente que perde eleições, telefona a reconhecer que perdeu eleições, depois já não perdeu eleições e quer implantar o caos no país”, rematou.

O embaixador recordou igualmente um encontro entre Nuno Gomes Nabiam e o seu homólogo português, durante o qual o primeiro-ministro guineense propôs a António Costa “a justiça e a cooperação judiciária” como “áreas privilegiadas de cooperação”. “Porque temos a vontade genuína de combater isto tudo”, explicou.
Rispito.com/Expresso, 23/7/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público