quarta-feira, 26 de agosto de 2020

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO NACIONAL E ENSINO SUPERIOR

Nota a imprensa

Na sequência da Assinatura de um acordo entre o Ministério da Educação Nacional e Ensino Superior e a Associação Fityaanou Sidkhine do Senegal cujo objectivo é a melhoria do acesso de qualidade e de governação das instituições escolares onde se ensina em língua árabe e a formação dos jovens, sobretudo das camadas mais vulneráveis, despoletou-se um grande debate sobre a questão da introdução da Língua Árabe no Sistema do Ensino Guineense.
 Ao longo da Semana, várias interpretações foram feitas sobre o assunto e como sempre alguns grupos de interesse, bem identificados, que certamente estão muito incomodados com as políticas e as reformas em curso no Sector da Educação da Guiné-Bissau tentaram, intencionalmente, colocar um vídeo manipulado e muito desenquadrado da intervenção de Sua Excelência Senhor Ministro da Educação Nacional e Ensino Superior, Dr. Ariceni Abdulai Jibrilo Baldé, em como estaria a defender o ensino do Alcorão no Sistema Educativo Guineense.
O discurso do Ministro da Educação foi no sentido de solicitar apoios urgentes para o recenseamento das escola Madrastas e corânicas existentes na Guiné-Bissau e ainda a realização de um censo sobre o número de crianças que querem estudar mas sem possibilidades para o fazer.
Também lamentou a questão das crianças em condições de talibés que andam a busca de conhecimento do Alcorão e confrontam-se com dificuldades, violências e até mortes.
Porquê que um ministro da tutela não pode solicitar apoios para crianças vulneráveis poderem ser organizadas e dadas uma educação de uma maneira formal e segura? 
É uma questão, certamente, em aberto para reflexão.
A questão da Introdução da Língua Árabe não é um sinónimo de aprender o Alcorão como bem vincou o Presidente da Associação Fityaanou Sidkhine Cheikh Ousmane Diwo, após a formalização da parceria com o Ministério da Educação Nacional e Ensino Superior da República da Guiné-Bissau. 
Para estes desatentos, a introdução da Língua Árabe no Sistema de Ensino Guineense, não foi uma decisão exclusiva e unilateral do Ministro da Educação Nacional e Ensino Superior, foi sim, uma decisão do Governo da República de Guiné-Bissau, chefiado pelo Eng. Nuno Gomes Na Bian,  que não é muçulmano,  e  os 22 dos seu membros, que, também, não o são. Esta medida consta do Programa do Governo que foi adotado pelo Conselho de Ministros e submetido e aprovado na Assembleia Nacional Popular, órgão legislativo máximo da República e fiscalizador da acção governativa. 
E, ainda, de acordo com informações e testemunhos dos mais antigos quadros da Educação na Guiné-Bissau, esta temática (escola corânica, madrassa, língua (s) de ensino, línguas nacionais/ língua oficial, entre outras questões/variáveis que incidem positivamente ou negativamente sobre o nosso sistema educativo foram objecto de vários estudos/reflexões e debates no país (INDE/1985-87, UNICEF/1993-95, Alternag/Sinaprof/1996, INEP/1992-94. 
O simples facto de constituir tema de análise e de reflexão, significa que faz parte da nossa paisagem socioeducativa, pelo que não deve ser temido ou menosprezado.
A atual liderança do Ministério da Educação Nacional e Ensino superior apela a colaboração e a contribuição de todos nas grandes reformas projetadas para fazer andar a educação na Guiné-Bissau.
Para finalizar, o Ministério da Educação Nacional e Ensino Superior, sábiamente dirigido por Ariceni Abdulai Jibrilo Baldé deixa Claro que não vai se curvar perante falácias, montagens e tentativas de bloquear, mais uma vez a educação na Guiné-Bissau.
Organização, Consolidação da Paz e Reformas na Educação é o foco da atual Liderança. Podem continuar a falar!

Bissau 26 de Agosto 2020 
Assessor Imprensa e Porta-voz,  Amadu Uri Djalo

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público