quinta-feira, 27 de agosto de 2020

VLADIMIR DEUNA CONTESTA LIDERANÇA DO PAIGC

Guiné-Bissau: Vladimir Deuna recém-regressado ao PAIGC pede renúncia do  líder do partido – CAPITAL NEWSSeis anos depois de Domingos Simões Pereira (DSP) assumir a liderança do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).
 Alguns militantes do PAIGC que reclamam a reconciliação no partido e no país, já minimizam a polémica em torno dos resultados eleitorais das presidenciais de 2019 e vêm Domingos Simões Pereira, ex candidato e presidente do PAIGC, como um problema para no partido.

O Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló foi um dos que envolveu-se no pretenso processo de reconciliação, mas a Direcção do PAIGC desvaloriza categoricamente os promotores da iniciativa. 

Depois dos resultados eleitorais de 29 de Dezembro, o país entrou em crise profunda. A crise provocou uma indenição sobre o que pode acontecer a curto e médio prazo, existindo enormes expectativas sobre o pronunciamento das Nações Unidas, e no PAIGC, tudo esta indefinido.

Em função desta indenição, um grupo de militantes encabeçados por Vladimir Deuna, exmilitante do MADEM que apoiou a candidatura de Domingos Simões Pereira na segunda volta das presidenciais, decidiu promover o que designa de reconciliação na família do PAIGC.

 Uma iniciativa que não conta com o aval da actual direcção do partido, que nunca pôs em causa a liderança de Domingos Simões Pereira. 

Vladimir Deuna iniciou o processo com um encontro com o Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, que é acusado pelo PAIGC de estar determinado a destruir o partido. O encontro teve lugar na sexta-feira, 21 de Agosto, sob forte cobertura mediática. No por fazer alusão sobre os resultados eleitorais e apontar Domingos Simões Pereira como “um azar” do PAIGC.

Acompanhado por mais três militantes do partido, Vladimir Deuna destacou também a disponibilidade de Umaro Sissoco Embaló em apoiar no for necessário para que o PAIGC normalize o ambiente interno e que reocupe a sua posição enquanto partido Libertador. Deuna considerou ser “desnecessário” o impasse político em torno dos resultados eleitorais, porque, foi “limpa” a vitória de Umaro Sissoco Embaló, sendo “má-fé” os protestos do seu adversário DSP.

 prometeu juntar as diferentes tendências no PAIGC e as demais formações políticas para que sejam priorizados os interesses do país. Porém, para Vladimir Deuna, o Presidente do PAIGC é “um problema para o país” e sublinhou que Domingos Simões Pereira “nunca progrediu o partido desde que chegou à liderança

A Direcção do PAIGC minimizou a iniciativa de Vladimir Deuna que qualica de um “militante irresponsável” que não conhece os ideais do partido. 

Os ataques a Vladimir Deuna tiveram eco nas redes sociais, onde um elevado número de cibernautas o qualicaram de “espião”, devido às suas constante mudanças partidária. Há quatro anos apresentouse como militante do PAIGC, dois anos depois do MADEM e nas presidenciais anunciou o regresso ao PAIGC.

Para já está afastada qualquer possibilidade de Vladimir Deuna ser recebido pelo PAIGC com este pretexto de reconciliação e no interior do partido falase na possibilidade de Deuna ser incluído no grupo de militantes que recentemente “traíram” o partido na Assembleia Nacional Popular. 

Apesar das criticas e ataque de que está a ser alvo, Vladimir Deuna é a primeira voz a levantarse contra o presidente do PAIGC e assumir o desaire eleitoral do PAIGC.
Rispito.com/e-Global, 27/08/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público