quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Gestão da EAGB vale 3,9 milhões de euros a consórcio português.

O consórcio português liderado pela EDP está a tentar retomar o contrato para a gestão da Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) que, desde 1 de junho, o Governo guineense decidiu suspender unilateralmente. Recorde-se que o Executivo de Nuno Gomes Nabiam justificou a decisão por não concordar que os gestores da EAGB ligados ao consórcio português tivessem abandonado a Guiné-Bissau após a declaração do estado de emergência no país, na sequência da pandemia, passando a trabalhar em regime de teletrabalho a partir de Portugal.


“O consórcio liderado pela EDP já teve oportunidade de comunicar a sua disponibilidade para retomar o projeto, nomeadamente através da mobilização das suas equipas para Bissau, por entender que existem boas perspetivas para que a suspensão do contrato seja levantada. O país já não se encontra em estado de emergência desde o dia 8 de setembro e estão a ser retomados os voos comerciais para a Guiné-Bissau”, disse ao i fonte da EDP. Mas, até ao momento, o Governo da Guiné-Bissau não respondeu.

O contrato para a gestão da EAGB - criado ao abrigo de um programa financiado pelo Banco Mundial -, com um valor de 3,9 milhões de euros, foi assinado em novembro de 2018 e termina no final de 2021. O consórcio liderado pela EDP (e que inclui a Águas de Portugal e a consultora Leadership Business Consulting) tinha colocado no país 18 técnicos especializados com o objetivo de melhorar a EAGB, a empresa pública responsável pela produção, transporte e distribuição de eletricidade e água na Guiné-Bissau, e que se encontrava em situação de falência técnica.

Após a suspensão do contrato, o Governo guineense nomeou interinamente Mamadu Baldé para o cargo de diretor-geral da EAGB. Recentemente, Baldé admitiu que a situação financeira da empresa se mantém no “vermelho”, com um passivo de 25 milhões de euros.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público