quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Ministro da Defesa nega envio de armas para a Guiné-Conacri

Sandji Faty negou esta segunda-feira que tenha sido enviada qualquer arma do país para a Guiné-Conacri, como foi referido pelo Governo daquele país vizinho
O ministro da Segurança e Proteção Civil da Guiné-Conacri, Damantang Albert Camará, disse, na semana passada, ter informações “seguras e fidedignas” sobre uma suposta entrada no seu país de armas de uso militar, vindas da Guiné-Bissau.

“Não tenho essa informação, mas cabe à pessoa que fez essa declaração responsabilizar-se pelo que disse”, afirmou hoje Sandji Faty, quando respondia aos jornalistas numa visita efetuada ao quartel da Marinha de Guerra guineense.

De acordo com o ministro da Defesa guineense, da parte das autoridades de Bissau não há qualquer registo de saída ou desaparecimento de armas do exército.

Fronteira entre a Guiné-Bissau e a Guiné Conacri

“Nos país estão todas as nossas armas sob a responsabilidade do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas. As armas são como as pessoas, têm um nome e um apelido, não se pode perder uma arma e não se saber de onde saiu”, declarou o general Faty.

Na opinião do ministro da Defesa guineense, a existirem armas ilegais na Guiné-Concri serão de um outro país que não a Guiné-Bissau, que se mantém tranquila, apesar das acusações e insinuações da parte de Conacri, observou.

“Nós não estamos minimamente preocupados, porque pensamos que estamos naquele conceito que hoje em dia se usa muito que é ‘fake news'”, sublinhou Sandji Faty.

A haver qualquer situação anómala nesse sentido, o ministro lembrou que existem “canais apropriados”, através das embaixadas dos dois países e ainda a convenção de Genebra.

“Nem é preciso ir ao mercado do Bandim e fazer declarações que não são abonatórias entre países irmãos”, notou Faty, referindo-se ao principal centro de comércio na Guiné-Bissau.

O ministro guineense disse ser, contudo, de lamentar as mortes e distúrbios que têm estado a acontecer na Guiné-Conacri, na sequência das últimas eleições presidenciais realizadas no passado dia 18. 

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou também na passada sexta-feira tratar-se de ‘fake news’.

 “Isso é ‘fake news’. Internamente temos problemas de armas como é que vamos introduzir armas na Guiné-Conacri”, questionou o chefe de Estado.

O Presidente Alpha Condé, de 82 anos, ganhou um controverso terceiro mandato presidencial com 59,49% dos votos, de acordo com números ainda provisórios, anunciou a comissão eleitoral guineense no sábado.

O seu principal adversário, Cellou Dalein Diallo, que se declarou vencedor das presidenciais antes da divulgação dos resultados, obteve 33,5% dos votos, segundo a mesma comissão.

A oposição estima que os confrontos tenham causado a morte a 27 pessoas, mas esse número não foi confirmado oficalmente.

O Presidente da Guiné-Bissau tem sido uma das vozes críticas da candidatura de Alpha Condé a um terceiro mandato na Guiné-Conacri, tendo mesmo chegado a acusá-lo de “estar a tentar um golpe de Estado”.
Rispito.com/Plataforma, 29-10-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público