quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Movimento contra devastação florestal na Guiné-Bissau pede a PR para travar corte de árvores

Um movimento contra a devastação da floresta da Guiné-Bissau vai pedir ao Presidente, Umaro Sissoco Embaló, para vetar a decisão do Governo de permitir a retoma do abate de árvores para madeira, disse hoje o líder da organização.
Carlos Uissa explicou à Lusa que está a correr uma petição na Internet que, em cerca de uma semana, já vai com cerca de duas mil assinaturas de pessoas que concordam com a iniciativa.

O movimento quer que Umaro Sissoco Embaló "diga não ao Governo" na sua decisão de admitir o corte de árvores na floresta guineense, uma ação que Carlos Uissa considera como um "crime ambiental".

"O povo guineense já está a sentir as consequências desses atos criminosos, ventos e chuvas derrubam casas todos os anos, a temperatura do ambiente aumenta a cada mês", observou Uissa, emigrante guineense na Suíça, mas bastante interventivo na vida social do país.

Este emigrante e outros guineenses criaram o movimento contra a devastação da floresta em 2012 e na altura conseguiram que o então Governo aprovasse uma moratória contra o abate de árvores, que durou cinco anos.

Carlos Uissa defende que embora o corte de árvores não tenha parado totalmente "seria muito grave" voltar a admitir que a floresta guineense seja atacada, como anunciou o Governo no passado dia 08.

"Apelamos aos jovens nas suas comunidades para que vigiem a floresta, para que denunciem qualquer tentativa de cortar as árvores. Já nos abandonaram, já comeram tudo o que é do povo, agora querem devastar a floresta que é o nosso último sustento de verdade", sublinhou o ativista ambiental.

O movimento liderado por Carlos Uissa quer que o assunto seja levado ao parlamento para um debate e depois lançar uma campanha de reflorestação nacional "para remediar o que se devastou" entre 2012 e 2014, disse.

"No crime ambiental da altura, a cada hora chegavam ao porto de Bissau (para exportação) sete contentores de 20 pés, levando lá dentro 90 toros de madeira", declarou, frisando que o movimento vai fazer "o que for preciso" para travar as pretensões do Governo.

O ativista disse ser "argumento falacioso" quando o Governo vem dizer ser preciso autorizar o abate de árvores da floresta "para construir carteiras para os alunos".

"É mais do que claro que não há interesse nacional aqui. Há pessoas que querem colocar em causa o nosso meio ambiente por causa dos seus interesses obscuros. É tudo uma questão da ganância", sublinhou Carlos Uissa.
Rispito.com/Lusa, 29-10-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público