segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Sociólogo guineense diz que só novo poder em Conacri poderá reatar relação com Bissau

O sociólogo e analista guineense Diamantino Domingos Lopes disse que só um novo poder na Guiné-Conacri, que vai a eleições no domingo, poderá "abrir espaço para reatar" as relações políticas e diplomáticas com a Guiné-Bissau.

Cerca de 5.500 eleitores da Guiné-Conacri escolhem no domingo o próximo Presidente do país, numa eleição marcada pela contestação à candidatura a um terceiro mandato do chefe de Estado cessante, Alpha Condé, e pela morte de pelo menos 90 manifestantes e opositores.

Os eleitores poderão escolher entre 12 candidatos, incluindo duas mulheres, mas a chefia do Estado deverá ser disputada entre Alpha Condé e o líder da oposição, Cellou Dalein Diallo. (NOVA VERSÃO PARA CORRIGIR NO TEXTO O NOME DO SOCIÓLOGO E ANALISTA GUINEENSE, QUE É DIAMANTINO DOMINGOS LOPES E NÃO DIONÍSIO DOMINGOS LOPES)
"A relação entre a Guiné-Conacri e a Guiné-Bissau está adormecida há muito tempo. Com uma nova autoridade, haverá espaço para reatar essa cooperação", defendeu o sociólogo guineense.

Diamantino Domingos Lopes que falava à agência Lusa, por telefone, a partir de Bissau, assinalou a difícil relação entre os atuais chefes de Estado dos dois países vizinhos: Umaro Sissoco Embaló e Alpha Condé.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, tem sido uma das vozes críticas da candidatura de Alpha Condé a um terceiro mandato na Guiné-Conacri, tendo mesmo chegado a acusá-lo de "estar a tentar um golpe de Estado".
"Umaro Sissoco Embaló, enquanto primeiro-ministro, sentiu-se prejudicado por Alpha Condé, que assumiu a mediação da crise política guineense a mando da Comunidade Económica de Países da África Ocidental (CEDEAO)", apontou.

Na altura, prosseguiu, o agora chefe de Estado da Guiné-Bissau considerou que Alpha Condé não "teve uma mediação clara e transparente" e acusou-o de se "inclinar" para o Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC) e para o seu presidente, Domingos Simões Pereira.
"Acusou Alpha Condé de ser contra os fulas (etnia maioritária nos dois países)", apontou Diamantino Domingos Lopes, considerando, no entanto, que apesar de o opositor de Alpha Condé nas eleições ser fula, a questão étnica não é determinante.

Para o sociólogo, a relação entre os dois chefes de Estado "deteriorou-se" ao ponto de a Guiné-Conacri não ter sido convidada para o aniversário da independência da Guiné-Bissau, que se assinalou em 24 de setembro.
"Historicamente a Guiné-Bissau ganhou a independência através da Guiné-Conacri. Tudo começou e terminou na Guiné-Conacri, era lá que tínhamos a nossa base militar e a estratégia de guerra era desenhada e executada a partir da Guiné-Conacri", disse.

Por outro lado, apontou, a divisão política guineense traduz-se numa inclinação maior do PAIGC para a Guiné-Conacri e do Presidente Umaro Sissoco Embaló para o Senegal.
"Levamos o nosso problema interno ao nível da CEDEAO e dos nossos principais vizinhos. Estamos nesta perspetiva divisionista que não ajuda em nada o povo e o país", disse.

Por isso, acredita que, se Alpha Condé for reeleito a relação entre os dois países deverá manter-se neste mesmo nível.

Admitindo que possa melhorar, acredita que "não terá grande impacto na vida das populações".
"Não se vai sentir a relação política e diplomática, se o Cellou Dalein Diallo ganhar, a relação vai ser outra por causa dos laços afetivos e da perspetiva de relançamento de um novo poder. Vai-se sentir mais a presença da Guiné-Conacri na Guiné-Bissau", considerou.

Diamantino Domingos Lopes apontou o "enorme potencial" da Guiné-Conacri e a "longa relação histórica" com a Guiné-Bissau para sublinhar que a relação entre os dois estados "não pode continuar adormecida".
"Tendo os dois chefes de Estado de costas voltadas", os países perdem, reforçou, sustentando que há relações comerciais e económicas que são prejudicadas pela inexistência de relações políticas e diplomáticas.

Para o sociólogo, nos últimos 10 anos este "é o momento mais complicado" na relação dos dois vizinhos.
"Desde 2016, a situação ficou mais complicada e há uma clara `guerra` política e diplomática. A Guiné-Conacri fechou as fronteiras sem informar as nossas autoridades e isso mostra quão complexa é a relação neste momento", disse.

Ainda assim, Diamantino Domingos Lopes, acredita que este conflito está a passar ao lado das populações dos dois países, que mantêm a mobilidade entre os dois países.
Rispito.com/Lusa, 19/10/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público