segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Guineenses pintam murais para resgatar memória e promover unidade

Pintores guineenses decidiram mudar a imagem da capital da Guiné-Bissau através de arte para resgatar memorias históricas e exaltar o espírito patriótico, que estiveram na origem da luta pela libertação nacional.
A imagem da capital da Guiné-Bissau está a mudar com a contribuição de um grupo de jovens, que decidiu resgatar a memória e promover a unidade, com a pintura de murais em espaços degradados que ganharam nova vida.

A experiência começou em 2019 com uma formação em técnica de pintura em arte, depois foi só pôr mãos à obra e aproveitar a oportunidade para mostrarem aquilo que melhor sabem fazer, pintar.

"Não temos nenhum tipo de apoio ou patrocínio, mas como guineenses vale a pena dar a nossa contribuição naquilo que nós somos bons, porque com o tempo as pessoas vão reconhecer. Eu sempre acreditei que o trabalho teria impacto, mas nunca a este nível", afirmou à Lusa Nuno Mars.

O projeto arrancou com 11 pessoas e hoje tem 16 fixas, às quais se juntam todos os voluntários que aparecem para dar umas pinceladas.

Nuno Mars explicou que às vezes é difícil conseguir espaços e materiais para pintar e não se esquece de agradecer o apoio de Miguel de Barros, diretor-executivo da organização não-governamental Tiniguena, e do antigo secretário de Estado da Cultura Spencer Embaló.

"O dinheiro é fundamental para tudo o que fazemos, mas o mais importante é a motivação em tudo aquilo que fazemos", disse.

E nada desmotiva este grupo de jovens que já pintou cinco murais, em homenagem a figuras históricas da Guiné-Bissau, e brevemente vai arrancar com o sexto.

"Todo o mundo está contente com o trabalho que estamos a fazer, não há esquerda, nem direita. Todos os guineenses elogiaram o trabalho que estamos a fazer", afirmou Nuno Mars.

Além disso, explicou Nuno Mars, o grupo pega num sítio abandonado e transforma-o numa "obra de arte" ao mesmo tempo que permite que as novas gerações conheçam a história do país.

"Só assim é que a Guiné-Bissau se pode transformar num país bonito, num país tranquilo, onde não
haja ala A e ala B", disse.

Depois de terem inaugurado o mural de Francisco Mendes, "Tchico Té", primeiro chefe de Governo da Guiné-Bissau, após a independência, os jovens vão agora pintar José Carlos Schawrtz, poeta e músico guineense, que morreu em Cuba, em 1977.

Para concretizarem mais este projeto, os jovens precisam de material e a porta está aberta para todos os que quiserem apoiar Nuno Mars e os seus colegas, nem que seja para ajudar a pintar.

"Para a minha geração não há oportunidades, mas não devemos ficar sentados à espera de oportunidades, devemos criar as nossas oportunidades e só assim é que as coisas correm bem",

"O objetivo desta pintura é dialogar com a cidade, temos de resgatar a memória. Vais a outras cidades de outros países e vês a importância que a pintura urbana tem, como os Estados Unidos da América e outros países, e quando começou teve uma influência grande", disse.
Rispito.com/DW, 02/11/2020


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público