segunda-feira, 16 de novembro de 2020

PR da Guiné-Bissau afirma que "Nino" Vieira é património do país e está em todos os guineenses

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse hoje que o antigo chefe de Estado "Nino" Vieira é "património de Estado" e pertence a todos os filhos do país.
"Liguei a Isabel Vieira e disse, senhora não vou pedir autorização, mas vou informá-la de que vou enterrar "Nino" Vieira ao lado do seu companheiro Amílcar Cabral. O Nino não pertence só a vocês. O Nino é património da Guiné-Bissau", afirmou Umaro Sissoco Embalo, sobre a conversa com a viúva do ex-Presidente.

O chefe de Estado guineense falava na Amura, durante a cerimónia de trasladação dos restos mortais do antigo Presidente e celebração do dia das Forças Armadas.
"Todos os filhos da Guiné-Bissau têm um pedaço daquele homem. Portanto, não pertence à Isabel, nem aos filhos biológicos de "Nino" Vieira. "Nino" sou eu e todos os que estão aqui", disse o Presidente guineense, recebendo os aplausos da plateia.
"Não fazemos política com "Nino", nem com Cabral, nem com Canha Na Tungue, nem com Pansau Na Isna e outros", salientou, referindo-se a outros combatentes pela independência do país.

Umaro Sissoco Embaló disse também que "Nino" Vieira merece respeito e que não faz política com o seu legado.

O antigo Presidente João Bernardo "Nino" Vieira foi assassinado na sua residência em Bissau, em março de 2009, horas depois do assassínio do então chefe das forças armadas do país, general Tagmé Na Waie.

Em entrevista à Lusa, a filha mais velha do antigo Presidente Florença Vieira lamentou a forma como o processo de trasladação dos restos mortais do pai foi conduzido.

O assassínio do antigo Presidente nunca foi resolvido e apesar de ter sido feita uma investigação pelo Ministério Público o processo acabou arquivado por falta de acusação.
Rispito.com/Lusa, 16/11/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público