quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Ministro demissionário voltou atrás na decisão e retomou as funções

Vítor Mandinga quebrou o silêncio para reafirmar que continua a discordar com o OGE para 2021, aprovado pelo Parlamento da Guiné-Bissau. Ainda assim vai continuar no Executivo liderado por Nuno Gomes Nabiam.
O ministro da Economia da Guiné-Bissau, Vítor Mandinga, confirmou esta quinta-feira (28.01) à DW África que retomou as funções em janeiro, após ter pedido demissão em novembro por discordar com o Orçamento Geral do Estado (OGE) e a nomeação do vice-primeiro-ministro, Soares Sambú à sua revelia pelo Presidente Umaro Sissoco Embaló.

Vítor Mandinga referiu na altura que outra razão que o levava a apresentar a demissão era o facto de não subscrever o Orçamento Geral de Estado para 2021, porque o mesmo não tem em conta a reforma da função pública, que considera essencial para o desenvolvimento do país.

"Eu, de facto, tive que retomar em janeiro, por uma razão simples. Achei que tinha que contribuir para a estabilização do país. Evidentemente, mantendo-me convicto daquilo que coloquei na minha carta: que são precisos mais investimentos que possam tirar o país de onde está", disse o ministro à DW África na sua primeira reação oficial sobre o caso que remonta a novembro do ano passado.

Vítor Mandinga defende um acordo com o Fundo Monetário Internacional para garantir uma saída "condigna" de funcionários públicos das suas posições, salientando que é mais "racional realizar o investimento de uma só vez do que o Estado endividar-se durante décadas" para pagar salários aos funcionários públicos.

Vítor Mandinga insurge-se contra o OGE
"É preciso repensar a dívida externa do país nos orçamentos anuais, mas sem prejudicar o arranque da economia do país, promovendo investimento em infraestruturas, a reforma da função pública, que é indispensável para acabar com estas greves, e dar aos trabalhadores aquilo a que têm direito" disse o ministro. Mandinga alega ainda "que foi mal compreendido nesta matéria. Por isso houve a decisão superior de aprovar o Orçamento Geral de Estado de 2021 tal como está".

Mandinga tem a mesma posição em relação ao Plano Nacional de Desenvolvimento 2020-2023, que não está incorporado no Orçamento de Estado.

 "A decisão de endividar o país para modernizar e reabilitar as nossas infraestruturas deve ser tomada e prosseguida num contexto de transparência e controle democrático", afirmou

Em entrevista telefónica a partir de Bissau, antes de entrar a reunião do conselho de ministros, o titular da pasta da Economia disse acreditar que a "história vai-me dar razão".

Mandinga foi eleito deputado do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), depois de ter abandonado o Partido da Convergência Democrática, acabando por integrar o Governo de Nuno Gomes Nabiam.
Rispito.com/

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público