terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Para António Nhaga “Governantes guineenses não reconhecem a liberdade de imprensa”

O bastonário da Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau diz que as as autoridades do país não reconhecem a liberdade de imprensa e não haverá nenhuma mudança enquanto investirem na propaganda.

“Os governantes guineenses não reconhecem a imprensa. O próprio acesso à fontes de informação é prova disto (…) Este governo que está no poder está numa mera propaganda e não há nada de concreto sobre a liberdade de imprensa”, diz António Nhaga.

O líder profissional fez o comentário no dia em que o Conselho de Segurança das Nações Unidas discute o relatório do representante do secretário-geral para África Ocidental e Sahel sobre a limitação da Liberdade de Imprensa.

Nos últimos anos, jornalistas e activistas de direitos humanos guineenses queixam-se do facto de as autoridades perseguirem os que defendem a liberdade de expressão.

O recente assalto à Rádio Capital FM, por homens de uniforme, e o espancamento de dois activistas ligados ao partido de Alternância Democrática (MADEM-G15), alegadamente, por parte de seguranças ligados à Presidência da República, são alguns exemplos apontados.

Nhaga diz que “o assalto à Rádio Capital é prova da ausência da liberdade de imprensa. Não há nenhuma dúvida que na Guiné não há liberdade de imprensa e não haverá liberdade de imprensa nos próximos anos).

A polémica tomada de posse de Umaro Sissoco Embalo, envolvendo militares, foi outro momento que limitou a liberdade dos jornalistas, diz Diamantino Lopes, secretário-geral do Sindicato do Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social.

Lopes diz que “havia muita limitação e muita pressão aos profissionais da comunicação social, porque, na altura, a forma mais adequada de designar o presidente era ‘autoproclamado’”, o que não era do agrado dos dirigentes.
“Não será fácil inverter a situação de liberdade de imprensa na Guiné-Bissau”, lamenta Nhaga. E com certo optimismo, Lopes diz que a mudança apenas será possível com “algo na direção de uma maior resistência da classe, face às pressões políticas”.
Rispito.com/VOA, 12-01-23021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público