quarta-feira, 17 de março de 2021

Cabo Verde e Guiné-Bissau assinam novos acordos e querem facilitar integração regional

Cabo Verde e Guiné-Bissau assinaram hoje, na cidade da Praia, novos acordos de cooperação, em áreas como a diplomacia, comunicação social, agricultura e energias renováveis, e querem "cimentar as bases" para facilitar a integração regional.

Os acordos foram assinados pelos ministros dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Rui Figueiredo Soares, e da Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, no âmbito de uma visita que a chefe da diplomacia guineense efetua ao arquipélago, e vem renovar os instrumentos assinados em 2015.

Em conferência de imprensa, a ministra dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Internacional e das Comunidades da Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, avançou que os dois países rubricaram dois acordos políticos, em que o primeiro prevê uma intensificação dos trabalhos na área consular. 
"O que se pretende é que as questões relacionadas com a comunidade guineense em Cabo Verde e com a comunidade cabo-verdiana na Guiné-Bissau passem a ter uma maior prioridade para os nossos ministérios. Vamos articular com os instrumentos próprios a forma de facilitar essa integração", referiu.

A membro do Governo guineense disse ainda que a assinatura de memorando de entendimento na área consular vai "cimentar as bases" para facilitar a integração regional dos dois países na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), onde são os dois únicos países africanos de língua portuguesa.

A ministra adiantou que os memorandos preveem ainda outros tipos de acordos, nomeadamente nas cartas de condução, e que o segundo foi no âmbito da comunicação social.

Os embaixadores dos dois países assinaram igualmente dois instrumentos de cooperação a nível técnico, nas áreas da agricultura e das energias renováveis, que preveem formações e intercâmbio de experiências.

Para a chefe da diplomacia guineense, são "importantes instrumentos de cooperação", que vieram reforçar ainda mais as relações políticas e diplomáticas entre os dois países, considerados "irmãos".

Suzi Barbosa notou que a recente abertura da embaixada de Cabo Verde na Guiné-Bissau é a prova da "vontade inequívoca" da intensificação das relações político-diplomáticas.
"Sobretudo demonstra também que a Guiné-Bissau e Cabo Verde não são só apenas dois países irmãos, com uma história comum, mas também são dois países-membros de uma sub-região na qual poderemos ter melhores resultados caminhando juntos", salientou.

O chefe da diplomacia cabo-verdiana, Rui Figueiredo Soares, também enalteceu os "importantes acordos", entendendo que é "um sinal inequívoco" do estreitamento das relações históricas entre os dois países irmãos.
"O facto de estarmos a estreitar as nossas relações diplomáticas, políticas, de concertação ao nível das organizações de que fazemos parte, mas também integração efetiva das nossas duas comunidades, e estender essa relação de cooperação a áreas novas, até então muito pouco expressivas, como as áreas económicas, tudo isto é um sinal inequívoco da vontade dos dois países de irem além e darem mais um passo no estreitamento das nossas relações", sustentou o ministro dos Negócios Estrangeiros e da Integração Regional de Cabo Verde.

A ministra dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Internacional e das Comunidades da Guiné-Bissau está há dois dias em Cabo Verde, para uma visita de "amizade e trabalho", até quarta-feira.

A chefe da diplomacia guineense foi recebida pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, visitou a ilha do Fogo, onde se encontrou com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e deslocou-se a várias empresas e instituições cabo-verdianas.
Rispito.com/RTP Noticia, 17-03-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público