terça-feira, 3 de maio de 2022

Missão de estabilização na Guiné-Bissau está a criar dúvidas e insegurança na população – sociedade civil

O representante em Bissau do Fórum de Organizações da Sociedade Civil da África Ocidental, Gueri Gomes, considerou hoje que a missão de estabilização enviada para a Guiné-Bissau está a criar dúvidas e insegurança na população.
“Não há informações concretas, porque pela lógica o que devia acontecer era informar o cidadão que vem uma força, com determinado limite temporal e sobre a sua missão”, afirmou Gueri Gomes.

Segundo o responsável, a Guiné-Bissau foi surpreendida com a decisão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e “de repente chegou essa força”.
“Isso cria dúvidas e cria insegurança nos cidadãos em relação ao que é a soberania da Guiné-Bissau. Para a maioria dos cidadãos, a vinda dessa força pode pôr em causa a soberania da Guiné-Bissau e a soberania reside no povo, que tem de ser informado e aceitar a vinda dessa força e isso não aconteceu”, salientou o ativista.

Para Gueri Gomes, o envio de uma força militar para qualquer país é um processo “muito sensível” e todos os atores devem dar a sua opinião e “apropriar-se da decisão” e “isso não aconteceu”.

Segundo o responsável, é lamentável porque não se sabe qual a missão dessa força de estabilização, nem se vai assegurar o normal funcionamento das instituições e da sociedade civil.
“No passado não tivemos essa parte de apoiar o funcionamento da sociedade civil e a segurança dos ativistas e neste momento constatamos que há uma violação dos direitos humanos, há uma intimidação aos ativistas”, afirmou, quando questionado sobre se a força vem só garantir segurança ao poder político ou também garantir a liberdade de expressão e os direitos fundamentais dos cidadãos.

Na semana passada, a força começou a chegar ao país, mas o porta-voz do Governo e ministro do Turismo guineense, Fernando Vaz, remeteu mais pormenores para a cimeira dos chefes das Forças Armadas da CEDEAO, que vai decorrer em maio, no Gana.

Fontes militares confirmaram à Lusa que a força de estabilização será composta “num primeiro momento” por 631 militares.

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou, na África do Sul, que a força é composta por elementos do Senegal, Nigéria, Gana e Costa do Marfim.

Para Gueri Gomes, a CEDEAO tomou uma decisão “sem considerar os órgãos de soberania do país”.
“Independentemente de ter essa competência de decidir, dada a pertinência, dada a sensibilidade do assunto, tinha de haver uma discussão sobretudo no parlamento, uma discussão alargada e tinha de haver uma envolvência da sociedade civil, e os cidadãos tinham de compreender qual é a real missão dessa força e o seu limite temporal”, afirmou.
Rispito.com/Lusa, 03/05/2022

2 comentários:

  1. Será que as anteriores forças da CEDEAO que passaram aqui tiveram anuência do Parlamento ou do povo? Bo pára...

    ResponderEliminar
  2. EL PRÉSTAMO URGENTE ESTÁ DISPONIBLE AHORA

    HOY CONSEGUÍ LA CANTIDAD DE PRÉSTAMO DESEADA $ 760K DE UNA COMPAÑÍA DE PRÉSTAMO PRIVADO CONFIABLE, CONFIABLE Y REGISTRADA LA SEMANA PASADA, ¿NEGOCIO / CASA / EMPRESA / PROYECTO / PRÉSTAMO PERSONAL? AHORA SON ASEQUIBLES AQUÍ PARA USTED HOY CONTACTO Correo electrónico profdorothyinvestments@gmail.com

    ResponderEliminar

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público