domingo, 14 de outubro de 2012

A jornalista guineense com paradeiro desconhecido na Angola
Por: Samba Bari
Há coisas na vida que nós conseguimos assistir, umas que conseguimos ver, outras que só conseguimos ouvir ou sentir, mas muitas se despõem  a bandeira que tantos pronunciam a falar.

Infelizmente, o que não falta na Guiné-Bissau são informações surpreendentes... E as noticias em dia, queiramos ou não elas são conhecidas de boca a boca, de conto em conto, até de noticias publicadas. 

E quando as noticias nos chegam,  podemos ficar com espanto ou choque, com medo ou com revolta, certo é que partilhamos as emoções e interiorizamos as informações ou as noticias conhecidas de acordo com a analise e interpretação de cada um de nós.
Do que ouvimos ou informados, provoca em nós o posicionamento que leva o aparecer de mais voz crítica para perfilar na linha vitima perante os que acham ser forçudo e dos quais a crítica não tem razão de ser... Nem falar das suas acções, nem falar das suas práticas.

Neste momento, sobe de tom a cada dia que passa a preocupada situação de mais um mistério de desaparecimento, desta vez da nossa concidadão e conhecida jornalista Milocas Pereira. Residente em Angola com função da professora universitária é dada como desaparecida a mais de quatro meses. 

Por omissão ou por a caso, os políticos contestatários e as figuras publicas críticas vão-se sucedendo nesse tipo de história desumano... Morte ou viva, certo é que a dona Milocas não está a ser vista nem ouvida entre tudo e todos.

Uma situação que poderá ampliar fissura entre o governo guineense não reconhecido pela Angola e o governo angolano. Porque seja como for, a cidadã é guineense, país pelo qual ainda nunca tinha abdicada em detrimento da Angola... Simplesmente fazia de Angola o seu pais de residência e de trabalho.

Nesta base, se lhe aconteça algo  inédito e de mistério, cabe ao governo angolano empenhar-se na descoberta da verdade, descortinar o mistério e dissipar as dúvidas... Porque se na democracia todos têm direito de opinião e de opinar... Também a luz do direito internacional cada ser humano deve ser salvaguardado o seu direito próprio de viver.

Mesmo não se tratando de uma voz crítica ou personalidade pública, um desaparecimento sem voz nem noticias, implica suspeita de morte ou assassinato. E para clarificar cada uma dessas versões ou o contrario, cabe em primeiro lugar, o governo responsável do território  da segurança pública e do espaço de habitat da   pessoa em causa. Nessa caso o governo angolano, já que apesar de tudo a senhora em causa até o momento do seu desaparecimento estava a prestar um trabalho público ao serviço do governo angolano no território angolano... E ainda, ao que tudo indica, não fez nenhuma advertência prévia de querer ausentar... Para onde ausentar... E para que tempo a sua ausência.

Sendo assim, aqui não se trata de arrogâncias da legitimidades do governo ou não, porque mesmo tratando-se de impugnação duma pessoa particular (os familiares neste caso), as autoridades de Angola tem uma obrigatoriedade de se esforçar para dissipar a verdade da mentira e facultar aos que sofrem uma versão segura e oficial.

Deste lado, aqui engrossa mais um desafio para as autoridades de transição... Uma prova de fogo que os mesmos devem enfrentar com mecanismos adequados e possíveis... Porque seja como for, são as autoridades que temos e não passa dos mesmos os protectores  dos nossos direitos, da nossa vida em geral e defensores das agressões que estão sujeitos, os nossos concidadãos na Diáspora.

Com diplomacia ou denuncia, com respeito ou verdade, esperamos a não admissão dos silêncios habituados nos casos absurdos e chocantes ao povo. Lembrando que o habito de fazer passar os casos crimes e as situações chocantes por via de silencio e desinteresse, fez de vitima muitos governos. Não só de criar contestação e revolta contra o governo em função, como conotar as autoridades nessas atrocidades (que não é o caso de momento).

Espera-se a melhoria da mentalidade dos Guineenses e das suas autoridades, suplicando dias abençoadas para o povo sofrido da Guiné-Bissau.

Samba Bari - Licenciado em Relações Internacionais pela Universidade Lusíada de - Lisboa

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público