sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Governo de Transição fez um balanço positivo da sua governação e garante permanecer até ao fim 
O Governo de transição da Guiné-Bissau fez hoje  08 de Fevereiro, um "balanço positivo" dos últimos oito meses de gestão e garantiu que o executivo está para ficar, negando que estejam previstas mudanças.
"O Governo não está de partida", disse aos jornalistas o porta-voz do governo e ministro da Presidência, Fernando Vaz, a quem coube fazer um balanço do que foi feito, Ministério a Ministério, perante a quase totalidade do executivo.
Nos últimos tempos têm circulado informações em Bissau, não oficiais, de que iria haver uma ampla remodelação do Governo ou mesmo a substituição do atual executivo por outro.
Rui Duarte de Barros, o Primeiro-Ministro do Governo de transição, esteve presente apenas no início da reunião e, numa breve declaração, disse que aquilo que foi feito corresponde às expectativas do que foi definido.
O Governo de transição tomou posse em maio do ano passado, na sequência de um golpe de Estado que derrubou os dirigentes eleitos. Um dos seus principais compromissos era o de realizar eleições em abril deste ano, mas a data será adiada.
Segundo Fernando Vaz, a data das eleições será definida em consenso e não caberá ao Governo escolhê-la, embora o executivo continue a ter a realização das mesmas como "uma das suas principais missões".
Sendo que já foi feita a cartografia do território, é preciso agora prover os cerca de 700 mil eleitores de Bilhete de Identidade, documento que só 150 mil pessoas possuem, disse.
Fernando Vaz ergueu como principal "bandeira" do Governo o pagamento de salários à função pública, que, disse, está encaminhada, e a reforma das forças de Defesa e Segurança.
O porta-voz voltou a insistir com a comunidade internacional para que "faça parte da solução e não do problema da Guiné-Bissau".
Nas respostas aos jornalistas, falou ainda da questão de corte de madeira por parte de empresários chineses no sul do país, criticada pelas populações locais, afirmando que o Governo de transição intensificou a fiscalização e que já foram apreendidos diversos contentores de madeira em toros, 80 só no porto de Bissau.
Quanto à questão dos direitos humanos, sobre a qual a Liga Guineense dos Direitos Humanos traçou na quinta-feira um quadro negro, Fernando Vaz disse à Lusa que há processos de violação de direitos humanos a decorrer no Ministério Público.
"O Governo tem tomado posições públicas, pedindo a intervenção das autoridades da Justiça para pôr fim às atrocidades", disse Fernando Vaz, acrescentando: "este Governo não pactua com impunidades".
Fernando Vaz disse também que permanecem por exportar cerca de 10 mil toneladas de caju, o principal produto do país, e que foram exportadas 140 mil toneladas da última campanha.
Devido à quebra dos preços e ao mau ano, disse, o Produto Interno Bruto da Guiné-Bissau caiu para 2.7, metade do ano anterior.
Lusa - 08 de Fevereiro 2013

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público