terça-feira, 14 de outubro de 2014

Ano escolar abriu oficialmente nas escolas públicas da Guiné-Bissau

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, presidiu esta segunda feira à abertura oficial do ano letivo nas escolas públicas, anunciando uma série de reformas para a melhoria do setor de ensino.
O chefe do governo apelou à participação de todos, sindicatos, pais e encarregados de educação, alunos e parceiros, para a execução das reformas.
Domingos Simões Pereira afirmou que o Governo vai trabalhar para que todos os alunos possam ter uma peça de identificação pessoal e acesso a "pelo menos uma refeição quente diária".

"Um aluno com a barriga vazia não pode ter cabeça para assimilar a matéria", defendeu o chefe do Governo guineense, enfatizando o facto de muitas crianças irem para escola sem nada no estômago.
O primeiro-ministro disse também que não podem continuar a existir situações em que "milhares de alunos" só a partir dos liceus terem documentos de identificação civil por não serem registados à nascença.
O chefe do executivo quer que os ministérios da Justiça e Educação coloquem em marcha um plano de registo móvel para a população em idade escolar, para que todos possam ter bilhete de identidade.
A reintrodução de disciplinas da moral e ética no currículo escolar é outra das recomendações deixadas pelo primeiro-ministro ao dirigir-se à ministra da Educação, Odete Semedo, frisando que, no passado, essas matérias "eram a essência da sociedade".
Domingos Simões Pereira disse que o Governo vai "ter em conta uma boa dotação orçamental" para o setor da Educação, mas sublinhou que o setor nunca poderá estar no centro das atenções enquanto a paz e a estabilidade continuarem a ser a prioridade da a
ção governativa.
Citando as estatísticas do Ministério da Educação, que apontam para uma taxa de analfabetismo de 59 por cento da população, o primeiro-ministro guineense defendeu que o país só vai conseguir combater a pobreza se conseguir "mudar radicalmente esses dados".
Nesse sentido, Domingos Simões Pereira pediu a compreensão dos sindicatos para os problemas do setor e anunciou "abertura total" do Governo para o diálogo em busca de soluções para os vários problemas do setor do ensino público.
A ministra da Educação, Odete Semedo, anunciou também as medidas já encetadas no sentido de trazer melhorias ao ano letivo que espera venha a decorrer sem interrupções devido a greves de docentes, como aconteceu nos últimos anos por não receberem salários.
Devido à greve dos professores, nos últimos cinco anos as escolas públicas raras vezes abriram as portas em outubro.
As aulas arrancaram quase sempre em dezembro ou janeiro.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público