domingo, 13 de março de 2016

ADIADO O JULGAMENTO DE 17 MILITARES ACUSADOS DO GOLPE DE ESTADO DE 2011 

O julgamento de 17 militares acusados na tentativa de golpe de estado de 26 de Dezembro de 2011, inicialmente marcado no Tribunal Regional de Bissau, foi adiado sine-dia.  
Em causa, segundo os acusados, a instância judicial não esteve a altura de efetuar a audiência do julgamento.  
Os militares são acusados da subversão da ordem constitucional no período do então Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, General António Indjai. 
De acordo com o despacho da Vara-Crime do Tribunal Regional de Bissau e o coletivo dos militares “insurreição”, desde 2011 a esta data, foram proibidos de receber os seus salários, por parte do Estado Maior General das Forças Armadas, retirados viaturas, afastados das casernas militares, sem nenhum fundamento legal e que se lhe são aplicados padece de vício de violação da lei.
 O despacho do Tribunal Regional de Bissau revela que os suspeitos estão em presença de decisões arbitrárias e atentatórias dos direitos humanos. Ordenando desde o dia 17 de Julho de 2015 a retoma ao serviço ao respetivos responsabilidades e o pagamento dos seus salários. Facto que não acontece até agora.
Na carta endereçada ao então Procurador-geral da República, Hermenegildo Pereira, Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Tribunal Regional de Bissau e ex-ministra da Defesa Nacional, Cadi Seidi, o grupo manifesta-se disponível ser julgado por forma a esclarecer definitivamente, o “mítico caso”, mas que até agora, não foi feita a justiça.
Recordamos que os 17 militares foram detidos a 26 de Dezembro de 2011, postos em liberdade no dia 20 de Junho de 2012, cerca de 05 anos continuam a viver entre a penúria e a expectativa. 
Eis os nomes dos suspeitos: 01-José Américo Bubo Na Tchuto, 02-Watna Na Lai, 03-Cletche Na Ghanha, 04-Bidun Na Montche, 05-Mário Ntuntu na Diana, 06-José Bastista Sambé, 07- Antonio Mário Cabi, 08- Tchami Ialá, 09-Fidel Quitole Mbitna, 10-Augusto Sana Nhanque, 11-joao Lan-Eghondé, 12-Raimundo Dos Santos, 13-Marcelino Simões Lopes Cabral, 14-Orlando Man, 15-Bunha Na Mané, 16-Pam Braia e 17- Augusto Abna Mané.
Adiado o julgamento, os 17 militares pedem as autoridades judiciais do país e o Estado guineense para acionarem mecanismos legais com vista a efetuar o julgamento por forma a não comprometer as suas carreiras profissionais.
Rispito.com/Lai Balde-correspondente, 13-03-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público