quinta-feira, 16 de junho de 2016

UA pede ao PR que promova respeito pela Constituição

Image result for uniao africanaA União Africana (UA) pediu hoje ao Presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que promova o respeito pela Constituição como uma das medidas para resolver a prolongada crise política no país

"O Conselho [de Paz e Segurança da União Africana] apelou ao Presidente da República para promover o respeito pela Constituição", referiu o órgão da UA em comunicado.

O mesmo órgão reiterou "a profunda convicção" de que "só um diálogo genuíno e inclusivo baseado no respeito mútuo permitirá uma solução consensual para a crise".

O Conselho exortou ainda "todos os atores políticos na Guiné-Bissau a exercer a máxima contenção e a colocar os melhores interesses do país acima de quaisquer considerações pessoais ou partidárias".

Os apelos têm o mesmo ponto de partida: a "profunda preocupação" da UA relativamente com os últimos desenvolvimentos na crise política e institucional na Guiné-Bissau.

"O Conselho lamentou que, apesar de inúmeros esforços de mediação da comunidade internacional, as divergências se tenham aprofundado, em particular entre o Presidente da República e a liderança do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) - na sequência da dissolução do governo por decreto presidencial 12 de maio", nota o comunicado de hoje.

Tal como o Conselho de Segurança da ONU já esta semana alertou, também a UA avisa que a Guiné-Bissau arrisca-se a perder os mil milhões de euros prometidos por doadores em 2015, bem como a regredir noutros progressos registados desde as eleições gerais de 2014.

A única nota positiva vai para os militares, por se manterem à margem do conflito político.

O Presidente da República, José Mário Vaz, e o PAIGC, vencedor das eleições de 2014, estão em conflito há cerca de um ano. O que resultou na demissão de dois governos e deu posse no início de junho a um novo executivo, mas o PAIGC requereu no dia 03 de junho ao Supremo Tribunal de Justiça que a medida seja declarada inconstitucional.
Rispito.com/Lusa, 16-06-16

Os juízes do Supremo ainda não se pronunciaram sobre a questão.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público