sábado, 2 de julho de 2016

Comunicado de Imprensa
O PAIGC registou com profunda revolta e vem por este meio denunciar e acusar o Procurador-Geral da República por mais uma acção não somente contrária e ilegal à luz da nossa Constituição e demais Leis que regem este país, como pela sua inequívoca demonstração de abuso de poder, manipulação, revanchismo e ignorância, ao tentar impedir a saída do país do camarada Eng. Carlos Correia, um consagrado e prestigiado Combatente da Liberdade da Pátria e até a sua ilegal e inconstitucional demissão, Primeiro-Ministro da República da Guiné-Bissau.
O PAIGC questiona o facto do Ministério Público ter enviado aos postos fronteiriços, nomeadamente no Aeroporto Internacional “Osvaldo Vieira” uma proibição de saída de alguns dirigentes do nosso Partido que integravam o demitido Governo Constitucional formado pelo PAIGC, enquanto vencedor com maioria absoluta das últimas eleições legislativas, sem que os mesmos, ao menos fossem já alvos de inquirição e de terem no mínimo processos elaborados com clara sustentação de terem cometido algum crime susceptível de verem os seus movimentos coagidos.
Não fora a pronta intervenção da UNIOGBIS no Aeroporto Internacional “Osvaldo Vieira” não seria possível o camarada 1º Vice-Presidente do PAIGC deixar Bissau rumo a Lisboa para onde se desloca para consultas médicas.
O PAIGC quer saber até onde o Senhor Procurador-Geral da República quer chegar com os seus desmandos e abusos de poder, assentes numa clara e intolerável violação das Leis que regem esta República forjada na Luta e proclamada pelo Combatentes da Liberdade da Pátria sob os auspícios do Partido de Cabral.
O PAIGC levará esta questão a todas as Instituições da República para conhecimento e as devidas acções subsequentes, o que não acontecendo será pelo Partido de Cabral entendido como um acto encomendado e concertado, facto que torna este caso mais grave na sua dimensão política, legal e administrativa. Outrossim, o PAIGC denunciará estas manobras irresponsáveis e indignificantes junto a todas as instâncias competentes ao nível nacional e internacional.
No plano nacional, o PAIGC chama a atenção do povo guineense para com este facto, que podem levar a consequências imprevisíveis e apela a todos os cidadãos com consciência patriótica e sentido de responsabilidade a retirarem as ilações que se impõem, de modo a que cada um de nós e em conjunto possamos assumir com coragem e frontalidade a condenação firme destas actuações ilegais e abusivas levadas a cabo pelo Ministério Público, sob a directa responsabilidade e comando do Senhor Procurador-Geral da República, António Sedja Man.
O PAIGC comunica a todos os seus dirigentes, militantes, simpatizantes e à grande maioria do povo guineense que se encontra do seu lado que nenhuma acção ou acto intimidatório farão recuar a Direcção do Partido na defesa dos superiores interesses do povo e da Nação guineense, pois nada nem ninguém nos fará desistir na senda da defesa da legalidade democrática, do Estado de Direito Democrático, na construção do progresso e do bem-estar e no pleno respeito e defesa dos mais elementares direitos do cidadão guineense. Ao mesmo tempo, a Direcção do PAIGC está unida, coesa e determinada a cerrar as fileiras para combater a tirania e a ditadura.
Bissau, 2 de julho de 2016
O Secretariado Nacional do PAIGC
Aly Hijazi
Secretário Nacional

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público