quinta-feira, 18 de agosto de 2016

FORÇAS DA ECOMIB COMEÇAM RETIRAR-SE DE BISSAU DENTRO DE ANO

As tropas da Comunidade Económica dos estados da África Ocidental (CEDEAO), estacionadas durante quatro anos na Guiné-Bissau, na sequência do golpe de Estado de Abril de 2012, que derrubou o Presidente Raimundo Pereira, vão se retirar da Guiné-Bissau dentro de um ano, disse segunda-feira o presidente da Comissão da organização.
Alain Marcel de Souza, que preside a Comissão da comunidade económica oeste-africana, fez esta declaração no final de uma audiência com o Primeiro-ministro, Baciro Djá.
A missão da CEDEAO denominada Ecomig, iniciou funções em 2012 a fim de ajudar a proteger o processo de transição política, sobretudo as figuras e instituições públicas .
"A missão não pode ficar para sempre na Guiné-Bissau. Isto custa-nos muito caro e, ainda mais que os chefes de Estado pediram-me para organizar a desmobilização", disse Marcel de Souza.
"É sobre isso que nós trabalhamos, prolongar a sua estadia para mais um ano para que a situação de segurança seja reforçada", acrescentou.
Marcel de Souza adiantou que, em substituição, a CEDEAO treinaria, em curto espaço de tempo, uma parte de militares da Guiné-Bissau.
“No prazo de seis meses, nós vamos formar homens capazes de substituir a ECOMIB que poderá assim começar a sua retirada gradual."
A missão é composta por cerca de 550 homens da Nigéria, Burkina Faso, Senegal, Togo e Níger. 
Rispito.com/AFP,18/08/2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público