quarta-feira, 3 de agosto de 2016

GUINEENSE DIVIDIDOS NAS CELEBRAÇÕES DO MASSACRE DE PINDJIGUITI

Os guineenses celebraram divididos esta quarta-feira em Bissau, o Massacre de Pindjiguiti que deu a 03 de Agosto de 1959, onde 59 marinheiros guineenses foram massacrados pela tropa colonial portuguesa. 

O Governo de Baciro Djá prestou homenagem aos marinheiros mortos no monumento de Mártires de Pindjiguiti, também chamado em crioulo “Mon de Timba”, enquanto o PAIGC preferiu fazê-lo ao lado do recinto do monumento onde foram disseminado algumas placas dos nomes daqueles que tombaram durante o dia fatídico, e seguiu-se ao porto onde soltou coroas de flores em memórias das vítimas mortais do massacre.

Durante a cerimónia o PM, Baciro Djá assegurou que o país está longe de alcançar as ideias dos heróis do Pindjiguiti.     

O macabro ato aconteceu a 03 de Agosto de 1959, no qual 59 marinheiros guineenses foram massacrados pela tropa colonial, quando reclamavam aumentos salariais e melhores condições de trabalho pelo então regime do general António Espínula, o ditador.
Honra e Gloria aos Mártires de PindjiGuiti!
Rispito.com/Lai Balde-correspondente, 03-08-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público