domingo, 4 de setembro de 2016

Pessimismo na avaliação do impasse politico 

Noventa dias após da sua investidura, o Governo liderado por Baciro Djá ainda não conseguiu apresentar o seu programa de governação devido a divergências entre os dois maiores partidos políticos, o PAIGC (no poder) e PRS. A crise política e institucional está longe de chegar ao fim e requer novas medidas que passem pela legitimação de novas autoridades, defendem analistas.
O país está parado, a classe política bloqueou o funcionamento normal das instituições e a situação é agravada pela constante troca de acusações entre os dois principais partidos. O Parlamento está paralisado há mais de dez meses. O politólogo guineense, Rui Jorge Semedo, diz que o imbróglio se deve ao facto de haver alegadamente duas maiorias no hemiciclo: “O Parlamento vive o dilema de ter duas maiorias parlamentares. Uma do PRS, que tem apoio dos 15 deputados dissidentes do PAIGC, e a segunda do partido que venceu as últimas eleições legislativas, como pode ser pode ser visto nos três órgãos internos do Parlamento: mesa da ANP (Assembleia Nacional Popular), conferência de líderes e comissão permanente”.

Na opinião deste analista político a solução para o impasse passa pela dissolução do parlamento e convocação de novas eleições. Sobre a decisão de José Mário Vaz de não dissolver o Parlamento enquanto for Presidente da Guiné-Bissau, Rui Jorge lembra ao chefe de Estado que neste caso não impera a sua vontade pessoal. Acrescenta que as atuais circunstâncias obrigam à tomada de certas decisões políticas a favor do Estado: “Esse posicionamento é um pouco autoritário porque o Estado não é do Presidente da República, mas sim do povo”.

Rui Jorge disse ainda à DW África que José Mário Vaz “chumbou” na condução do país, por não conseguir garantir a estabilidade governativa há um ano, apesar de ser o garante do normal funcionamento das instituições e das leis da Guiné-Bissau.
Trata-se de uma falha com consequências:
 “Ele não tem frequentado muito os encontros internacionais, porque sabe que está muito fragilizado. Para melhorar um pouco a prestação, terá que ter a coragem de voltar atrás, fazer algumas correções e cedências para assumir a sua responsabilidade de garante da estabilidade”.
Governo de unidade nacional

O Presidente José Mário Vaz está fragilizado, dizem os analistas.
Na opinião do politólogo, o atual Governo de Baciro Djá não tem base parlamentar para governar, o que cria uma "confusão" no Parlamento patrocinada pelo chefe de Estado e legitimada pelo Supremo Tribunal de Justiça. Este último validou a nomeação do Executivo. O especialista defende que a formação de um novo Governo de unidade nacional é o mínimo indispensável até à organização das próximas eleições: “O atual cenário com o PAIGC de fora não é viável e qualquer cenário para tirar o país da situação deve envolver todas as partes”.
Outro analista guineense, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Fernando Delfim da Silva, entende que é preciso ir ao fundo da questão, que é o sistema político ambíguo semi-presidencialista vigente na Guiné-Bissau: “As dificuldades podem estar na Constituição. Daí defendo a revisão da Constituição em duas direcções: no sentido de presidencialismo ou no sentido de semi-presidencialismo. Tenho dificuldades em apontar qual seria a escolha certa”.
  
Para solucionar a crise, Delfim da Silva, propõe uma mudança radical da atual classe política sem estratégias para a governação: “O grande problema é como fazer emergir uma classe política estratégica e classe económica estratégica. Ou seja, formar uma classe política que tem um conceito para o desenvolvimento”.
A Guiné-Bissau vive uma crise política sem precedente desde Agosto de 2015, sem que se vislumbre uma solução. O extremar de posições e o radicalismo político continuam a minar os progressos nas negociações para tirar o povo do sofrimento.
Rispito.com/DW, 4/09/2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público