segunda-feira, 10 de outubro de 2016

China anuncia perdão de dívida à Guiné-Bissau

Image result for Li KeqiangA China vai conceder um perdão da dívida à Guiné-Bissau na ordem dos 30 milhões de dólares, revelou hoje o primeiro-ministro guineense, Baciro Djá, após um breve encontro com o homólogo chinês, Li Keqiang, em Macau.

"O primeiro-ministro [chinês] anunciou o perdão da dívida que a Guiné-Bissau contraiu com a China", na ordem dos 30 milhões de dólares, e um donativo de mais de 15 a 20 milhões para a Guiné-Bissau", revelou Baciro Djá, aos jornalistas, manifestando-se "satisfeito" após o encontro, que descreveu como "caloroso e fraterno".
"A China sempre foi um país irmão e amigo da Guiné-Bissau", começou por realçar o primeiro-ministro guineense, para salientar que tal anúncio surge nessa base.
Já no âmbito do Fórum para Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa -- conhecido como Fórum Macau --, Baciro Djá destacou que "há vários projetos a ser assinados".
"É nesta perspetiva que nós entendemos que a nossa visita foi coroada de êxito e [que] é uma oportunidade de facto poder estar com o primeiro-ministro da China, uma potência mundial", sublinhou.
Além disso, existe a perspetiva também de a Guiné-Bissau poder oferecer à China, através do Fórum Macau, um mercado ao qual pertence: o da CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental] que "tem mais de 300 milhões de habitantes".
"É uma oportunidade para a China também" de poder entrar no mercado CEDEAO e "a Guiné-Bissau pode ser uma ponte importante", argumentou o primeiro-ministro guineense, sublinhando que, ao mesmo tempo, "o fator língua é importante no investimento".
"Estamos satisfeitos e esta é a cooperação que carateriza a Guiné-Bissau e a China, e eu penso que é uma cooperação na base da solidariedade, de não-ingerência nos assuntos internos do outro país, respeitando a autodeterminação e independência dos povos", realçou.
Baciro Djá chefia uma delegação composta por 18 membros ao Fórum Macau, cuja V Conferência Ministerial, a de mais alto nível de sempre, decorre na terça e quarta-feira.
A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como a sua plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003.
No mesmo ano, criou o designado Fórum Macau, que tem um Secretariado Permanente e reúne ao nível ministerial de três em três anos.
A conferência ministerial do chamado Fórum Macau vai ter por base a iniciativa "Uma Faixa, Uma Rota", estando o foco apontado ao desenvolvimento, "de modo a promover as relações económicas e comerciais entre a China e os países de língua portuguesa".
"Uma Faixa, uma Rota" é a versão simplificada de "Faixa Económica da Rota da Seda e da Rota Marítima da Seda para o Século XXI", o projeto de investimento impulsionado pela China para reforçar a sua posição como centro comercial e financeiro da Ásia.
No final da conferência ministerial vai ser assinado, como tem sido prática, o plano de ação para a cooperação económica e comercial para o próximo biénio (2017-2019).
Rispito.com/Lusa, 10-10-2106

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público