segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Tentativa de entendimento entre políticos guineenses transferido para Conacri


Os políticos da Guiné-Bissau compostos por 23 elementos sem contar com os assessores já estão concentrados de forma desagradável na vizinha republica da Guiné-Conacri onde entoaram com muita dicepção na humilhação e vergonha para a classe, o facto de terem que ir para Conacri negociar soluções internas, com um agravante de não irem com nenhuma coisa palpável que de la poderá surtir uma solução consensual.
O presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, disse acreditar na solução consensual, pois vão a Conacri formalizar a demissão do Governo de Baciro Djá e consequente formação do novo Executivo Inclusivo e de Consenso. E garante que "Os 15"  deverão voltar ao partido imediatamente.

Florentino Mendes Pereira, Secretário-geral do partido da Renovação Social, disse que entregou a sua proposta para a saída da crise ao Presidente da República.  Num tom revoltado falou na vergonha de terem que ir Conacri, sem nenhuma agenda em mãos  como se estivéssem a ser obrigados a aceitar um acordo que ja assinaram. 
Agnelo Regala, líder da União para Mudança, partido com assento parlamentar, entende que seria uma proposta inconstitucional e que trará mais problemas ao país.

O grupo dos quinze deputados recusou-se a prestar declarações aos jornalistas no aeroporto.
Tal como escrevemos, a organização das Nações Unidas que está a monitorizar todo o processo, enviou hoje um avião para levar "todo mundo" à Guiné-Conacri para a mesa redonda desta terça-feira.
Quanto à possibilidade de vir a ser indigitado um independente para liderar o futuro governo, o PRS diz que não se opõe desde que seja uma figura de consenso, e na perspectiva de se acabar definitivamente com a crise.
Por seu lado, Augusto Mário da Silva, presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, em nome das organizações da sociedade civil, afirma que é urgente que haja um entendimento em Conacri para minimizar o sofrimento do povo.
Antes de partirem, vários políticos recusaram assinar o termo em que se diz abdicar do seguro de viagem das Nações Unidas, ou seja em caso de um eventual acidente a ONU não responsabilizará pelas consequências.
Rispito.com, 10-10-2016



Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público