sábado, 5 de novembro de 2016

CEDEAO disse que "há acordo para primeiro-ministro" faltando saber quem é

O consenso foi alcançado para nomear um novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, anuncia Marcel de Sousa, presidente da Comissão da CEDEAO, mas o nome ainda não foi revelado.

"Já se chegou a consenso", referiu o dirigente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) à saída do Palácio Presidencial, em Bissau, mas sem esclarecer quem vai dirigir o governo.

Marcel de Sousa fez parte de uma comitiva liderada pela Presidente da Libéria, Ellen Johnson, mandatada pela CEDEAO para resolver a crise política guineense e que neste sabado 05-11-2016 se deslocou a Bissau para manter encontros com todos os dirigentes políticos do país.

"Estamos confiantes e o Presidente assumiu a decisão histórica de o nomear [ao novo primeiro-ministro] rapidamente", acrescentou Marcel de Sousa.

No final da ronda de reuniões foi lido um comunicado no Palácio Presidencial segundo o qual todos os participantes nos encontros reafirmaram o compromisso de respeitar o Acordo de Conacri, assinado em Outubro.

O documento prevê a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do Presidente para formar um governo inclusivo, em que as pastas vão ser distribuídas de acordo com os resultados eleitorais, a par da reactivação do parlamento e implementação de um pacto de estabilidade.

O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) conquistou 57 lugares, maioria absoluta, nas eleições de 2014, o Partido da Renovação Social (PRS) ocupou 41, o Partido da Convergência Democrática (PCD) elegeu dois deputados, o Partido da Nova Democracia (PND) colocou um deputado, tal como a União para a Mudança (UM).

Lembra-se que em Janeiro, um grupo de 15 deputados do PAIGC virou costas ao partido e juntou-se à oposição (PRS) constituindo numa nova maioria que formou o actual governo, empossado pelo Presidente da República e que agora o Acordo de Conacri prevê a reintegração desses 15 elementos no partido.

A deslocação da comitiva da CEDEAO a Bissau teve como objectivo sanar as divergências que surgiram após a assinatura do acordo em 14 de Outubro, altura em que o chefe de Estado, José Mário Vaz, colocou à escolha três figuras da sua confiança.
Rispito.com/Lusa, 05-11-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público