sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Manifestação em Bissau pede demissão de José Mário Vaz


O Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados exigiu esta sexta-feira a demissão do Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que acusa de ser o “principal responsável” pela crise política no país.

O Movimento, constituído na sua maioria por jovens, juntou centenas de pessoas numa manifestação pacífica que percorreu a principal avenida da capital guineense, seguindo do Palácio do Governo, no bairro de Brá, até à Praça dos Heróis Nacionais.
Num comício diante do Palácio da Presidência, os manifestantes exibiram dísticos e lançaram exortações à classe política, dirigindo-se especificamente ao chefe do Estado, José Mário Vaz, a quem pediram que deixe o poder.
Nelvina Barreto, da organização da manifestação, disse à Lusa que depois de exigência de dissolução do Parlamento e convocação de eleições legislativas, agora o povo guineense quer a demissão do próprio José Mário Vaz para que o país possa realizar eleições gerais – legislativas e presidenciais.

“O Presidente não pode ser árbitro e jogador ao mesmo tempo”, defendeu Barreto, presidente de uma organização de mulheres da Guiné-Bissau que reclama uma participação ativa na vida política do país.
A dirigente da Miguilan – Mindjeris de Guiné No Lanta (Mulheres da Guiné Levantemo-nos) afirma que o povo guineense decidiu assumir “de uma vez por todas o seu destino em mãos”.

Nelvina Barreto diz acreditar que a comunidade internacional estará disponível para financiar a realização de eleições gerais na Guiné-Bissau uma vez que “também compreende que a atual crise é insustentável”.
Para a dirigente, o número de manifestantes foi superior ao de uma outra manifestação realizada no sábado, afirmando que “finalmente as pessoas estão a compreender” que os protestos não têm nada que ver com nenhum partido político ou personalidade.
As escolas e alguns mercados não funcionaram hoje em Bissau em sinal de solidariedade com o protesto convocado de novo para a próxima semana, caso na segunda-feira não haja nenhuma decisão na reunião do conselho de Estado convocada por José Mário Vaz para escolher um novo primeiro-ministro.
Rispito.com/Lusa, 11-11-2016

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, me dá vergonha e revolta da nossa classe política no concernente a atuação destes, que nunca quiseram mostrar o que aprenderam nas escolas ou nas universidades a semelhança dos seus colegas que em outros países, que os mesmos foras companheiros e colegas de carteira.
    Ser um político no governo é um criado do povo ou melhor servidor de povo que o elegeu,defender os seus interesses e desenvolvimento do país.
    Mas, na nossa querida e amada Guiné-Bissau,tudo é a contrário

    ResponderEliminar

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público