quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Centenas manifestaram na rua para exigir renúncia de José Mário Vaz

Foto de Braima Darame.O Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI) com a crise política na Guiné-Bissau voltou hoje a exigir a renúncia do Presidente, José Mário Vaz.
Movimento, constituído na sua maioria por jovens, realizou hoje uma marcha pacífica com cerca de 300 pessoas que percorreu algumas avenidas de Bissau para exigir a renúncia do chefe do Estado, apontado como o responsável pela persistente crise política no país. 

Nelvina Barreto, membro da plataforma de mulheres Miguilan, e Sumaila Djaló, porta-voz do MCCI, explicaram aos jornalistas que a marcha se destinou "sobretudo a exigir a partida do Presidente, José Mário Vaz". "Exigimos que o Presidente, José Mário Vaz, ponha o seu cargo à disposição para que o nosso país possa andar com os seus próprios pés", declarou Sumaila Djalo, que pede ainda a José Mário Vaz que "tenha piedade do povo" e convoque eleições gerais antecipadas para a escolha de novos dirigentes do país, observou.
Foto de Braima Darame.
O porta-voz do MCCI responsabiliza toda classe política por aquilo que classifica como "opressão e massacre" do povo. Nelvina Barreto diz que a população quer mostrar à classe política toda a sua indignação pelo facto de os anseios por uma Guiné-Bissau estável, a viver em paz e desenvolvida, ainda não terem sido concretizados dois anos após as ultimas eleições gerais
A dirigente afirmou que o povo quis dizer basta ao Presidente da Republica "por ser o principal responsável" pela situação atual no país, disse.
Sobre o facto de a manifestação de hoje não conseguir juntar mais de que 300 pessoas, Nelvina Barreto diz ser normal, tendo em conta que até recentemente o governo tinha proibido a realização de ações de protesto
Rispito.com/Lusa, 23-02-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público