segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Embaixador angolano defende reatar das relações entre Angola e a Guiné-Bissau

Image result for Embaixador angolano  na Guiné-BissauO embaixador de Angola na Guiné-Bissau defendeu o reatar da cooperação entre os dois países lusófonos, que atualmente apresentam "um vazio bastante notável", apesar das tentativas e intenções dos Governos para a sua reativação.

Daniel Rosa, citado hoje pelo Jornal de Angola, falava numa receção a dignitários nacionais e estrangeiros em Bissau, tendo afirmado que os contactos para o reavivamento das relações de cooperação devem prosseguir para a materialização dos objetivos dos dois Estados.

"Angola e a Guiné-Bissau deverão continuar juntos e de mãos dadas a trabalhar para o progresso dos nossos respetivos países e povos", disse o diplomata angolano.

Segundo Daniel Rosa, as autoridades de Bissau renunciaram a alguns acordos que estavam em execução, nomeadamente a Missão de Cooperação Técnico-Militar e de Segurança Angolana na Guiné-Bissau (MISSANG), que terminou com a retirada do contingente militar e de policial angolano daquele país.

O diplomata angolano, enaltecendo os laços históricos entre os dois países, considerou fundamental o apoio de Angola à Guiné-Bissau no seu processo de estabilização política.

"As relações políticas são fraternas e têm como base os laços históricos de amizade e de solidariedade alicerçados ao longo da luta comum de libertação, com vista ao alcance da independência nacional de ambos os países", referiu.

Recentemente, o primeiro-ministro guineense, Umaro Embaló, anunciou a intenção de retomar a cooperação militar com Angola, que considerou um país irmão da Guiné-Bissau.

Umaro Embalo sublinhou que, apesar da excelência das relações entre os dois povos no passado, hoje tem constatado, com alguma mágoa, que alguns guineenses tentam reduzir a cooperação entre os dois países ao nível dos dois partidos históricos - Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

Angola mandou retirar da Guiné-Bissau, em junho, de 2012, cerca de 300 militares presentes em Bissau no âmbito da MISSANG, ao abrigo da qual Luanda iria recuperar e construir casernas para os soldados.

A retirada da missão, exigida pelas então chefias das Forças Armadas em Bissau, deu-se dois meses depois de o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau de então, António Indjai, ter liderado um golpe de Estado contra os poderes eleitos.
Rispito.com/Lusa, 06-02-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público