sábado, 11 de março de 2017

MCCI MANIFESTA OUTRA VEZ PARA EXIGIR A DEMISSÃO DE JOSÉ MÁRIO VAZ

Protest in Bissau (DW/B.Darame)Depois de uma participação massiva da manifestação que exige a reabertura da ANP na passada quinta feira, uma outra manifestação saiu na rua hoje sabado (11 de Março) para exigir a demissão de José Mário Vaz.
Segundo o Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI), esta é a manifestação mais participada de todas as outras já feitas no qual os manifestantes percorreram a principal avenida da capital guineense, do aeroporto internacional de Bissau até à Praça Mártires de Pindjiguiti, no centro da cidade. Num comício nas imediações do palácio da presidência, exibiram dísticos e lançaram apelos à classe política, dirigindo-se especificamente ao chefe do Estado, José Mário Vaz, a quem pediram que deixe o poder.
Lesmes Monteiro (DW/B.Darame)
Elementos da Polícia de Intervenção Rápida (PIR) presentes na manifestação "Acha que é normal um Presidente demitir um governo eleito pelo povo soberano, sem apresentar provas das suas infundadas acusações, sem solução e nomear seus amigos e desconhecidos primeiros-ministros da Guiné-Bissau?”, questiona. "Quer que os adversários o aceitem como herói e santo”.

"Somos um país democrático, iremos lutar para preservar esses valores, se for possível, até à morte", garante Luís Mendes.

Lesmes Monteiro, um porta-voz do Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados, afirma que "este é um processo para despertar a consciência cívica da população guineense". "Não pretendemos subverter a ordem constitucional, não pretendemos afastar o Presidente por via da força, estamos a exercer a nossa cidadania de forma responsável", garante Lesmes Monteiro, que faz um balanço positivo da manifestação. Segundo o porta-voz, o MCCI conseguiu mobilizar milhares de apoiantes.

Lesmes Monteiro afirma que o movimento pretende mostrar à comunidade internacional e nacional que "o povo guineense está exausto perante a incapacidade demonstrada pelo Presidente José Mário Vaz de resolver a crise que o próprio criou com o intuito de concentrar poderes na sua posse”.

"Sabemos que a competência do Presidente é garantir a estabilidade nacional, a unidade e a coesão entre os guineenses e o normal funcionamento das instituições, mas José Mário Vaz não consegue garantir o básico das suas atribuições constitucionais: nunca houve uma divisão de tamanha gravidade como agora na Guiné-Bissau", considera o porta-voz do MCCI.

Devido ao bloqueio institucional a que se assiste há mais de um ano e meio, Lesmes Monteiro aponta José Mário Vaz como o principal responsável pela crise e pede que renuncie ao poder de livre e espontânea vontade para salvar o país.

Protest in Bissau (DW/B. Darame)
O MCCI defende a realização de eleições gerais como a única solução para garantir a estabilidade política e governativa, salvando as promessas de mais de mil milhões de euros obtidos durante a mesa redonda com os doadores internacionais, em Bruxelas, em 2015, antes de o Presidente derrubar o primeiro Governo Constitucional do PAIGC, partido vencedor das eleições, liderado por Domingos Simões Pereira, presidente do partido.

Neste sábado, o Presidente guineense inicia a sua primeira presidência aberta, sob o lema No Djunta Mon pa no Muda Guiné-Bissau (Unamo-nos para mudarmos a Guiné-Bissau), no leste do país, na região de Gabú, para auscultar o povo e dar a sua versão sobre a crise vigente.

Na sua página na internet, José Mário Vaz afirma que a presidência aberta irá permitir-lhe "compreender melhor as dificuldades" com que se depara a população. "É uma pouca vergonha este ato do Presidente. O povo está a passar miséria e o Presidente a esbanjar dinheiro sem qualquer sentido", considera Lesmes Monteiro.

O Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados promete realizar, no próximo dia 25 de Março, mais uma marcha pacifica para exigir a renúncia do Presidente.
Rispito.com/DW, 11-03-2017


Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público